Danilo e Lira chegam a Fortaleza, depois
de duas reuniões consecutivas em Salvador.

Aquiraz

(CE) – “Se alguma palavra resumisse o que queremos, ela seria ?reação?.” A frase é do coordenador técnico Sérgio Ramirez, logo depois da reunião do comando da delegação do Coritiba com os jogadores, ainda em Salvador. Para a cúpula coxa, as conversas da noite de segunda surtiram efeito, e a expectativa é que o time responda dentro de campo, no domingo, às 16h (de Brasília), contra o Fortaleza, no Castelão.

O secretário Domingos Moro e o gerente de futebol Oscar Yamato, responsáveis pelas reuniões, preferiram esperar a noite cair em Salvador para agir. Antes de falar com todo o elenco, eles conversaram com um grupo menor, formado por Lima, Lira, Marcel e Jackson – a intenção era saber a quantas andava a motivação deles. “Tinha gente que pensava que eles iriam se irritar e deixar a delegação, mas correu tudo muito bem”, conta Sérgio Ramirez.

Com os quatro ?enquadrados?, era o momento de falar com o grupo todo. O enfoque dos dirigentes era o mesmo que o técnico Paulo Bonamigo usara na manhã – conscientizar o grupo da importância de conseguir uma vaga na Copa Libertadores.

Era um momento de abalo para os jogadores – alguns sentiram muito a troca de atletas realizada na tarde. Com a argumentação de Moro e Yamato, teve gente que não segurou as lágrimas. “O pessoal não resistiu e chorou. E é bonito ver esse tipo de atitude”, afirma um membro da comissão técnica que acompanhou a reunião. “Eles sentiram porque a conversa foi dura”, completa um jogador. Na avaliação do comando da “Operação Nordeste”, era a prova de que a iniciativa dera resultado.

E isso ficou claro na chegada da delegação na nova concentração, localizada em Aquiraz, na região metropolitana de Fortaleza (a 25 km do centro da capital do Ceará). Recebidos por um grupo de funcionários eufóricos com a presença coxa (ver matéria abaixo), o elenco transparecia maior confiança. “Nosso ânimo nunca acabou”, resume o volante Willians. “Nós caímos de produção, não sei por que motivo. Mas temos que esquecer tudo isso e só pensar em vencer o Fortaleza”, completa Jackson.

Para os atletas, foi importante a intervenção de Bonamigo e dos dirigentes. “Às vezes, uma reunião é mais importante do que um treino”, diz o centroavante Marcel. Eles também querem oferecer uma vitória para os que deixaram Salvador na segunda. “Não queríamos que isso acontecesse. Se dependesse da gente, eles ficariam e todos que estão em Curitiba viriam”, diz Marcel.

E essas atitudes mostram que o elenco pretende demonstrar o poder de reação. “Nós temos que manter essa atitude mas também reagir. Contra o Vitória, o Fernando defendeu o pênalti, mas ninguém fez mais nada. Agora, com um jogo mais difícil ainda, temos que mostrar serviço”, pede Paulo Bonamigo. “Podem deixar que no domingo eles vão ver”, finaliza o capitão Reginaldo Nascimento.

Coritiba deve mudar só em duas posições

Aquiraz

– Talvez os críticos e os torcedores esperassem mais mudanças no Coritiba para o jogo de domingo contra o Fortaleza. Mas Paulo Bonamigo nunca foi de alterações ?por atacado?, e isso vai se repetir durante a semana. É possível que apenas duas mudanças aconteçam, mas em ambas o treinador alviverde opta pela agressividade – tanto que Roberto Brum não deve ser substituído por um volante.

Willians, que é o imediato da função (e que sempre substituiu Brum durante o Brasileiro), pode não ser escolhido para jogar. Bonamigo estuda a adaptação tática ao 4-4-2, e nesse sistema Reginaldo Nascimento passaria para o meio-campo. Mas, ao mesmo tempo, tem dúvidas quanto à utilização desse sistema. Tanto que ele pretende treinar a equipe com três zagueiros (Nascimento fechando a trinca com Danilo e Odvan) na sexta.

Só que, apesar de uma possível manutenção do 3-5-2, o treinador não pensa em colocar Willians. Dessa forma, Alexandre Fávaro e Lima estão disputando a vaga que se abre. “O Fávaro é, dos que vieram, o mais perto de ser titular. E o Lima tem uma característica interessante para esse jogo”, considera Bonamigo, que tende a escalar o segundo como titular.

Além dessa modificação, é possível que haja mudança na ala-esquerda. Lira não esteve bem contra o Vitória (quase saiu no intervalo), e o técnico alviverde não esquece que Ricardo Ceará demonstrou personalidade quando foi titular.

Há mudanças, mas Bonamigo garante que a forma básica do Coritiba jogar não muda. “Não é hora de alterações radicais. Nós tivemos conversas na segunda exatamente para recuperar o elenco, e principalmente alguns jogadores que estiveram mal. E este é o momento de dar confiança aos atletas, pois é com eles que vamos chegar ao nosso objetivo”, discursa o treinador coxa.

Bem pra lá do fim do mundo

Aquiraz

– Quando falou em isolamento, ninguém esperava que o Coritiba se isolasse tanto. O resort em que a delegação se concentra desde a tarde de ontem ainda recebe os tratamentos finais para a temporada, o que faz com que, quando menos se espera, haja queda de luz elétrica ou interdição da piscina. Além disso, não há mais ninguém no hotel, fazendo com que o elenco coxa esteja longe de tudo e de todos.

A delegação só não toma conta do hotel por inteiro porque há três jornalistas de Curitiba hospedados. Um deles, o narrador da rádio Banda B Jacir de Oliveira, chegou ao resort na segunda, e era o único hóspede até a chegada dos que estavam em Salvador, incluindo seus colegas. “Parecia uma cidade fantasma. Não havia ninguém, e estamos longe de tudo”, comenta, olhando para o repórter, que também está no hotel.

Isso porque Aquiraz, que fica na Grande Fortaleza, é um balneário. E como qualquer deles, apenas recebe os turistas em seus grandes resorts, preparados para mantê-los ocupados sempre -mas sem dar um passo para fora do hotel. A capital do Ceará está a 25 km, e qualquer corrida de táxi custa no mínimo quarenta reais.

Mas é, talvez, o hotel melhor preparado no país para receber um time de futebol. No sábado será inaugurado oficialmente o campo de futebol (com 70x50m de tamanho) onde o Cori treinou ontem. A promessa dos organizadores é contar com Donizete, Careca, Bebeto, Zetti, Rivelino, Elzo e outros ex-craques. A festa começa, na verdade, na sexta, com uma palestra proferida pelo jornalista Armando Nogueira e pela ex-jogadora de basquete Paula.