Há um ano, Bernard vivia alguns dos grandes momentos da sua carreira, pois foi campeão da Copa Libertadores pelo Atlético Mineiro, também conquistou a Copa das Confederações, sendo um reserva importante na seleção brasileira e ainda foi envolvido em uma transação milionária, adquirido pelo ucraniano Shakhtar Donetsk. Agora, às vésperas da Copa do Mundo, garante estar mais “maduro” e “tranquilo” mesmo que não tenha mantido a ascensão na sua carreira.

“Tudo era novidade, estava mais nervoso, não sabia como chegar, cumprimentar, como eram os treinos. Nesse momento estou melhor, mais bem adaptado com as situações do grupo. Entendo muito bem o que Felipão pede dentro do jogo. Isso faz com que coloque em campo o que sei. É um Bernard mais maduro, centrado e tranquilo”, disse, neste domingo, em entrevista coletiva na Granja Comary, em Teresópolis (RJ).

Porém, a última temporada não foi de tanto sucesso para Bernard, mesmo que ele tenha sido campeão ucraniano. Afinal, o meia-atacante ainda não conseguiu conquistar a titularidade no Shakhtar. E isso se reflete, inclusive, na seleção brasileira, com outros reservas do setor ofensivo, como Wilian, tendo mais chances.

Bernard, porém, negou que tenha perdido espaço com o técnico Luiz Felipe Scolari. “Acho que o Felipão usa o jogador que necessita. Estou tranquilo, feliz de estar no grupo. Vou buscar meu espaço, estou bem, fisicamente e comigo mesmo”, afirmou.

O jogador só se recusou a falar sobre o seu futuro no Shakhtar e a possibilidade de deixar o clube da Ucrânia, país que passa por um momento de instabilidade política. Bernard destacou que a situação será resolvida pelo seu empresário, Adriano Spadotto, e que ele só quer pensar na Copa.

“Não vou comentar sobre isso. Estou focado na Copa, é um momento único, o auge da carreira. Quero aproveitar, absorver tudo que posso, amadurecer com um grupo experiente, que posso tirar muitas coisas. Quero deixar bem claro que não estou pensando nisso. Outras pessoas resolvem isso”, explicou Bernard.