A primeira impressão de Enderson Moreira foi positiva. Internamente, mesmo os que tinham manifestado preocupação com a mudança no comando técnico do Atlético estão satisfeitos com os primeiros dias do treinador no CAT do Caju. Trabalhador (o time treina incessantemente nesta semana), interessado nos diversos recursos tecnológicos oferecidos pelo clube e confiante numa recuperação rápida, o substituto de Claudinei Oliveira mostrou na primeira conversa com os jornalistas as semelhanças com o ex-técnico e também as diferenças. Ele quer, e pra já, um Furacão voltando a jogar um bom futebol.

Desde os primeiros trabalhos, na terça, Enderson está exigindo mais dos jogadores. “No primeiro contato já passei que o momento é de trabalhar muito e que temos que lutar muito dentro de campo”, comentou em entrevista à RPC. Seu trabalho consiste, num primeiro estágio, na recuperação da equipe. E ele sabe que os problemas do time rubro-negro estão também no lado emocional. Para o treinador, uma decorrência de um elenco formado basicamente por jovens jogadores. Isso acaba gerando a tal pressa que tanto atrapalha o Furacão principalmente em jogos difíceis.

O técnico quer ver um time mais organizado e que saiba alternar os ritmos – tanto a velocidade que marca esse elenco quanto a cadência necessária para encontrar espaços contra um time mais retrancado, como deve ser contra o Nacional, domingo, às 18h30, na Arena da Baixada. “Eu tenho a minha ideia de jogo, que joga para frente, que busca a vitória, o protagonismo do jogo. Claro que às vezes não dá, você vai enfrentar equipes que vão causar dificuldades, mas temos que estar preparados para controlar o jogo”, resumiu.

No pensamento do treinador rubro-negro, essa postura já vai trazer o torcedor para o lado do time de novo. “Sempre falo que a nossa equipe tem que merecer o resultado. O torcedor tem que sair e dizer que o time mereceu a vitória, esse é o nosso desafio aqui, colocar uma equipe que busque a vitória constantemente”, comentou Enderson, que sabe que o Furacão foi muito cobrado pelos torcedores nas últimas partidas em casa.

Para isso, ele pretende fazer alterações na equipe. A tendência é que aconteçam mudanças em todos os setores do time. Para o técnico, o momento é de atletas mais experientes assumirem a responsabilidade. Assim, Lula na zaga, Bady e Paulinho Dias no meio-campo e Edigar Júnio na frente (Paulinho e Edigar trabalharam com Enderson) deve ser as novidades contra o Nacional.

Lógia Suicida! Veja mais na coluna do Augusto Mafuz!