Washington entra na temporada como uma
das principais armas de Mário Sérgio.

O título do campeonato paranaense é um presente que a torcida atleticana quer para comemorar os 80 anos de fundação do Clube Atlético Paranaense. A retomada da hegemonia estadual pode ser o primeiro passo para o Rubro-Negro voltar a brilhar no cenário nacional. Após dois anos de “ajustes”, o clube da Baixada assumiu a obrigação e vai entrar na disputa para ganhar e apagar a má impressão deixada após a conquista do campeonato brasileiro em 2001.

No CT do Caju, a ordem já foi dada e o planejamento vem sendo elaborado desde a contratação do técnico Mário Sérgio. Após o fracasso na volta de Osvaldo Alvarez, a direção do clube repatriou de volta o mesmo artífice que iniciou todo o processo que levou o Furacão a conquistar a tão sonhada estrela dourada. Com o disciplinador treinador no comando, o time saiu da zona de rebaixamento no Brasileirão e terminou o ano com uma boa base de jovens criados em casa.

A transição política foi a mais tranqüila possível. Saiu Mário Celso Petraglia (que foi para a presidência do conselho deliberativo) e assumiu João Augusto Fleury da Rocha, que prometeu manter a mesma filosofia e seguir o mesmo planejamento que o Atlético vem seguindo há quase dez anos. A única novidade para esta temporada foi a promessa de um time vencedor. “Passamos dois anos fazendo alguns ajustes financeiros e agora vamos montar um time para ganhar os campeonatos que vamos disputar”, prometeu Fleury.

A promessa começou a ser cumprida no dia 2 de janeiro. De sopetão, os dirigentes anunciaram a contratação de sete reforços (Marinho, Valnei, Marcão, Fabiano, Vânderson, Rena e Washington), além de Ramalho e Raulen, que também chegaram para reforçar a equipe. “Começamos antes dos nossos concorrentes para também chegarmos na frente e alcançarmos nossos objetivos”, disse o presidente atleticano.

Como não era feito há mais de dois anos, uma pré-temporada ideal foi elaborada e vem sendo cumprida à risca no CT. “Quem não estiver em totais condições físicas e técnica e não mostrar que é melhor que os outros não vai jogar”, promete o treinador. O recado é claro: quem não der duro não vai ter vez no time rubro-negro.

Com tanto esmero, o título é o mínimo que a torcida quer receber. Se vai dar certo, só o tempo vai dizer. “Eu sempre digo que futebol é encaixe”, apontou Mário Sérgio. Um pouco de prudência nunca faz mal a ninguém, mas o clima de favoritismo está (este ano) muito mais próximo do CT do Caju. A estréia atleticana será na quarta, contra o Prudentópolis.

Turbulências para o treinador

O técnico Mário Sérgio está começando um trabalho do zero mas já tem que quebrar a cabeça para montar sua equipe. Condicionamento físico, documentação e ameaça de abandono são alguns dos problemas que o treinador enfrentou no início dos trabalhos. “Desde que eu cheguei aqui, as dificuldades foram a tônica. Nós terminamos o campeonato brasileiro com 11 desfalques e o time não sucumbiu, muito pelo contrário, reagiu nas dificuldades”, analisa.

Escaldado, o profissional se escora na armação do elenco com peças para as funções desejadas. “Se você se prepara adequadamente numa pré-temporada, você tem base para um ano inteiro”, aponta. Tudo para satisfazer o exigente e disciplinador treinador. Temperamental quando jogador e mais tranqüilo como comandante de uma equipe profissional, Mário Sérgio corre atrás de seu primeiro título na função e se arma para isso. “Nós estamos aqui há 20 dias e não tem reclamação, todos trabalham no máximo. Isso é um grande início e um grande indício de uma grande temporada.”

Resta saber se a química irá funcionar. Uma das exigências de Mário Sérgio é trabalhar com jogadores versáteis. Volante vira ala, que vira meia, que vira atacante, que tem que voltar para a marcação. O esquema, desta vez, é o 4-4-2, mas o uso dos três zagueiros poderá ressurgir nos clássicos. Tudo é possível, em se tratando do treinador atleticano. No CT do Caju já virou lugar comum dizer que o profissional dorme com um pensamento e acorda com outro.

Elenco do Atlético para 2004

JOGADOR

IDADE

Goleiros

Cléber

21

Diego

24

Marcinho

20

Tiago

19

Laterais

Alessandro

26

André Luís

19

Raulen

20

Baiano

19

Ivan

22

Marcão

28

Zagueiros

Alessandro Lopes

18

Douglas da Silva

19

Ígor

24

Marinho

27

Rogério Correia

25

Valnei

22

Meias

Alan Bahia

21

Bruno Lança

20

Fabiano

28

Vânderson

24

Ramalho

24

Adriano

26

Dione

19

Fabrício

24

Fernandinho

18

Jádson

20

Rodriguinho

21

William

26

Atacantes

Dagoberto

20

Ilan

23

Rena

25

Ricardinho

20

Washington

28