Não há chuva que afaste o torcedor do seu time campeão. Não tem tempo ruim que atrapalhe uma comemoração. A prova disso foi a festa entre torcida e jogadores do Athletico, na quarta-feira (19), para comemorar o título da Copa do Brasil.

O tempo em Curitiba não colaborou. Mas quem se importou? Muitos lembraram que em 2001, ano da conquista do Campeonato Brasileiro, também estava assim, chuvoso, nublado. Era um sinal positivo. Tanto que milhares de torcedores esperavam ansiosamente a chegada da delegação, que desembarcou por volta das 11h50. Em seguida, foram direto para o trio elétrico. Quando todos subiram, os atleticanos foram liberados para se aproximarem. Foi aí que a festa começou.

+ Confira como foi a festa completa do Furacão  na volta pra casa

De carro, de moto e até mesmo a pé. Todos queriam acompanhar o time campeão. E o trajeto era longo. Foram quase três horas para sair do Afonso Pena, passando pela Avenida das Torres até chegar na Arena da Baixada. Pelo caminho, mais atleticanos iam se unindo à carreata, enquanto outros já aguardavam no estádio.

Torcida esperou o Furacão nas ruas de Curitiba. Todos queriam se aproximar do time campeão. Foto: Felipe Rosa
Torcida esperou o Furacão nas ruas de Curitiba. Todos queriam se aproximar do time campeão. Foto: Felipe Rosa

No meio disso tudo, crianças e adultos eufóricos, alguns até chorando. Afinal, a conquista é inédita e marcante. Dos mais novos aos mais velhos, não tinha quem não demonstrasse um sorriso. Aos 55 anos, Bartolomeu Pereira acompanhou todas as principais conquistas do Furacão, mas, ao ser questionado sobre qual título era o mais importante, não titubeou. “É uma sensação maravilhosa. Essa taça aqui, com o drible do Cirino, é, com certeza, a mais fantástica”, respondeu ele.

Já para os mais novos, foi o primeiro gostinho de ser campeão nacional. Gabriel Gustavo da Silva, de 19 anos, era muito novo quando o Rubro-Negro faturou o Brasileirão em 2001. Agora, saiu para as ruas comemorar.

+ Leia também: “Fato novo”, meia foi peça-chave do Athletico na reta final da Copa do Brasil

“Estou sem palavras. Eu fui na casa de amigos, de parentes para comemorar. Quando o Cirino fez aquela jogada, foi uma explosão na cidade inteira. Foi algo muito fora do comum, nunca tinha vivido nada assim. A Copa do Brasil muda o patamar do Athletico em todo o Brasil”, tentou explicar.

Bruno Guimarães foi um dos mais empolgados na festa. Dançou, pulou, provocou os rivais e homenageou o ex-companheiro Renan Lodi. Foto: Hamilton Bruschz
Bruno Guimarães foi um dos mais empolgados na festa. Dançou, pulou, provocou os rivais e homenageou o ex-companheiro Renan Lodi. Foto: Hamilton Bruschz

Quando o trio elétrico apontou na Arena, a galera foi ao delírio, cantando o hino e gritos de incentivo ao time. Todos queriam ver seus heróis, tentar chegar o mais próximo possível da taça. Qualquer adversidade foi superada. Cachorros estavam vestidos de vermelho e preto. Pessoas com dificuldades de locomoção, com cadeira de rodas ou muletas, ou aqueles que saíram direto do serviço e foram até de terno para a Baixada. Outros deram um jeitinho de matar o trabalho. Cada um chegava como podia, na hora que podia.

Torcedores lotaram a entrada da Arena da Baixada para comemorar o título da Copa do Brasil. Foto: Felipe Rosa
Torcedores lotaram a entrada da Arena da Baixada para comemorar o título da Copa do Brasil. Foto: Felipe Rosa

+ Mais na Tribuna: Argentinos do Furacão dão sotaque gringo ao título

O ápice foi quando o trio elétrico estacionou em frente à esplanada. Foi o momento mais próximo entre jogadores e elenco. Todos pareciam ser um só. O técnico Tiago Nunes, o volante Bruno Guimarães e o zagueiro Léo Pereira tomaram conta do microfone. Puxavam cantos das arquibancadas, provocaram os rivais. Tudo que tinham direito eles fizeram. O lateral-esquerdo Adriano, recém-chegado, mesmo sem ter jogado a Copa do Brasil, estava eufórico. E cada gesto, cada palavra, era comemorada pela torcida como se fosse um gol.

Da chegada em solo curitibano, até o último a descer do trio, foram mais de seis horas de comemoração. Uma celebração, que, bem na verdade, durou quase 24 horas. Entre o gol de Rony, que decretou o título, até a madrugada a fora, a expectativa da volta, a espera pelo grupo campeão. Cada minuto foi saboreado pelos atleticanos, que comemoravam como se não houvesse amanhã. E o amanhã para os torcedores não importa mais. Até a nova página ser escrita e vir a disputa por um novo título.

Jogadores vestiram uniforme da organizada e até se vestiram de caveira. Mas o principal era mostrar a taça, que foi exibida a todo instante. Foto: Felipe Rosa
Jogadores vestiram uniforme da organizada e até se vestiram de caveira. Mas o principal era mostrar a taça, que foi exibida a todo instante. Foto: Felipe Rosa

Leia tudo sobre a conquista do Athletico!

+ Imprensa gaúcha repercute provocações do Athletico
+ Torcedor do Furacão não resiste à emoção do título e sofre infarto
+ Tiago Nunes se consolida como ídolo do Athletico

+ Torcida do Athletico invade as ruas de Curitiba pra comemorar o título

+ Athletico é o novo campeão da Copa do Brasil
+ Furacão vence o Inter e decreta título da Copa do Brasil
+ Baixe o pôster de campeão do Furacão
+ Torcida calou o Beira-Rio e fez a festa com o time
+ Título do Athletico tem festa e desabafo dos jogadores
+ Veja os memes da final da Copa do Brasil
+ VÍDEO: Todos os jogos do Athletico na conquista da Copa do Brasil