Criança pede ajuda para comprar um dos remédios mais caros do mundo

Publicidade

Campina Grande do Sul

Criança com doença rara precisa de remédio que custa R$ 300 mil por mês; Bora ajudar?

Gustavo Marques
Escrito por Gustavo Marques

A pequena Isabella Cristina Silva Feitosa, 10 anos, é uma criança como outra qualquer, que adora brincar, pintar, correr e imaginar um mundo colorido. No entanto, a família que mora em Campina Grande do Sul, na região metropolitana de Curitiba, está correndo contra o tempo contra uma doença rara com a qual Isabella foi diagnosticada no começo deste ano. Doença que pode causar a perda de visão, desequilíbrio e até a morte da menina. Para ter acesso ao melhor remédio no tratamento, são necessários R$ 300 mil por mês. Sem poder arcar com este valor, a família pediu na Justiça o acesso gratuito à medicação, mas o pedido foi negado. Agora, a esperança do tratamento resiste em uma vaquinha online, criada pelos familiares da criança.

+ CAÇADORES – Mãe do menino Heitor agradece ajuda da Tribuna, mas ele ainda precisa de uma forcinha sua!

Isabela é portadora da doença chamada Lipofuscinose Ceroide Neuronal, também conhecida como Doença de Batten. Este mal é genético e provoca a destruição progressiva e irreversível nos neurônios. Quando isso acontece, gradativamente o portador vai perdendo funções motoras, fisiológicas e cognitivas – como memória, raciocínio e imaginação. No caso da Isabella, a doença se manifestou pela primeira vez quando ela estava com sete anos, após uma crise convulsiva ocorrida em casa. Nos primeiros atendimentos em hospitais, a resposta dos médicos para a convulsão passou a ser epilepsia, com indicação de anticonvulsivos para prevenir e tratar as crises. Com a medicação, Isabella ficou oito meses bem e voltou a ter o mesmo comportamento de sempre.

Tudo estava se encaminhando com naturalidade na família. Mas a morte de um parente próximo prejudicou o tratamento da menina. Paloma, 22 anos, irmã mais velha da Isa ficou grávida e a convivência com a caçula aumentou neste período de gestação. As duas ficaram muito próximas e Isabella sonhava em cuidar do futuro sobrinho. No entanto, Paloma passou mal momentos antes de ter o filho e veio a falecer. O bebê também não sobreviveu.

VIU ESSA? Curitibano recordista em empinar bike encara desafio de descer serra em SC

Com esta enorme perda familiar, todos se abalaram emocionalmente. E com a Isabella não foi diferente, e ela voltou a apresentar as antigas crises, com mais frequência. Os médicos então fizeram um exame mais detalhado chamado videoeletroencefalograma. Com a duração de 12 horas, o resultado apontou a Lipofuscinose Ceroide Neuronal e o tratamento indicado foi o uso do remédio Brineura, considerado um dos medicamentos mais caros do mundo. O custo atualmente é de R$150 mil por dose e o medicamento é aplicado de 15 em 15 dias, ou seja, em um mês o custo passa a ser de R$ 300 mil.

Pedido negado pela Justiça

Sem condições de comprar o remédio e com a orientação dos médicos reforçando a necessidade do uso do Brineura, a família procurou a Justiça para conseguir o medicamento gratuitamente. Inicialmente, o juiz pediu para que Isabella passasse por um perito e este confirmou a rara doença. No entanto, o caso passou para uma juíza que negou o pedido alegando que o valor do remédio ultrapassa R$90 mil, um valor que ela considera sendo o teto máximo que pode ser bancado pelo Governo Federal. Além disto, a juíza reforçou na decisão que o medicamento não seria essencial para manter a Isabella viva.

LEIA AINDA – Família cria vaquinha pra operar o pequeno Bernardo, que sofre com doença rara e “risadas do Coringa”

Paola De Sena dos Reis, 23 anos, irmã de Isabela, relatou que a decisão revoltou a família e amigos. “A gente não está querendo usar o dinheiro para comprar uma casa ou melhorar de vida. Estamos pedindo para ajudar uma criança que está piorando a cada dia. A Isabela pode morrer a qualquer momento e os médicos sabem disto. É tão absurdo que parece mentira”, desabafou Paola. O advogado da família entrou com recurso no Tribunal Regional Federal da 4ªRegião e em aguarda decisão.

Atualmente, Isabella não tem apresentado crises convulsivas, até pelos outros remédios utilizados, que são doados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) como o Kepra, Depakote e o Canabidiol (substância encontrada na maconha).  Apesar disto, a doença segue ativa e provocando problemas na locomoção, visão e cansaço.

LEIA TAMBÉM – Menino de 7 anos dá aula de honestidade em Curitiba depois de bater de bicicleta no carro do vizinho

“Ela está muito cansada e sofre demais quando olha outras crianças brincando. A gente percebe a tristeza no olhar, pois ela não tem força para pular. O que mais deixa a gente preocupada é que não sabemos o dia de amanhã. Ela pode morrer durante a noite e só o tratamento correto vai possibilitar uma vida melhor, com uma sequência. Não existe a cura, mas ela pode viver normalmente com o auxílio de fisioterapia e fonoaudiologia. O nosso medo é constante e estamos correndo contra o tempo”, disse Paola.

Bora ajudar?

A família já realizou bazares, feijoadas, rifas e está até no troco solidário em Campina Grande do Sul, para conseguir o apoio financeiro necessário para a compra do remédio. Outra forma de auxílio está na vaquinha virtual que está ativa e que tem meta de chegar a R$ 600 mil, para garantir dois meses da medicação. Para ajudar a Isabella em seu tratamento, acesse o endereço da vaquinha ou faça o depósito diretamente na conta da menina.  Bora ajudar a Isa?

Isabella C.S. Feitosa
Banco Santander
Agência: 2054
Conta Poupança – 60002334-7
CPF: 145.671.239-05

Vaquinha “Unidos pela vida da Isabella”: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/unidos-por-uma-vida-cremilda-de-sena-silva

Sobre o autor

Gustavo Marques

Gustavo Marques

(41) 9683-9504