Marcelo Gomes, radiestesista, membro da Associação Brasileira de Radiestesia

Radiestesia é uma palavra composta do latim radius (radiação) e do grego aisthesis (sensibilidade). É a ciência por meio da qual uma pessoa treinada se torna sensível a qualquer tipo de radiação ou frequência vibratória.

O uso de celulares e seus efeitos nocivos são abordados por essa ciência desde o início da telefonia móvel. Para a especialidade, tudo no universo emite uma energia, uma frequência vibracional. Cada campo emite um grau diferente de energia. A água emite um tipo, o chumbo outro, etc.

O ser humano está constantemente cercado de energias eletromagnéticas, que são geradas de várias formas (satélites, microondas, redes de alta tensão). O grande dilema é que nem sempre conseguimos notar seus efeitos ou a sua presença. Com o uso do celular é exatamente isso o que acontece.

Ficamos expostos à radiação emitida pelas ondas eletro magnéticas que atingem nosso corpo, interferindo na reprodução das células, o que pode causar desde um simples cansaço até mesmo doenças como o câncer. Essas frequências podem causar degeneração celular, dificultar o metabolismo e causar várias doenças graves.

Como essas radiações são cumulativas, cada pessoa reage de forma diferente por causa de sua “identidade energética”. Para se ter uma idéia mais ampla da nocividade do uso excessivos de celulares, essas frequências promovem um conflito no sistema nervoso central, podendo gerar diversos distúrbios, como dores de cabeça, debilidade da visão, comprometimento do raciocínio, fadiga e estresse. O ideal é evitar a exposição excessiva e o uso prolongado de aparelhos celular, alternando o tempo de conversação, não deixando passar de três minutos em cada ouvido ou o viva-voz.

Em crianças o efeito é ainda maior. Como estão em fase de evolução e desenvolvimento, não devem ser atingidas por um corpo estranho, por faixas de luzes cheias de fótons que interferem na formação das mesmas e nas conexões.

Outro alerta importante é a localização das antenas de transmissão, conhecidas como erb’s, que nunca devem estar próximas a hospitais, escolas e creches. Em ambientes onde o uso do celular é mais frequente, como escritórios, empresas, comércios e até mesmo em residências, é aconselhável o uso da radiônica, ciência ligada a radiestesia, que utiliza elementos, como gráficos e formas geométricas, que atuam diminuindo a incidência desse tipo de radiação.

Dessa forma, cria-se uma freqüência saudável no ambiente e isenta de nocividades. Por meio de minuciosa avaliação, o profissional radiestesista detecta todos esses pontos e elabora a melhor forma de atuar no local.