Fortes chuvas como a que castigou Curitiba na tarde desta quinta-feira (21) além de provocar transtornos e prejuízos materiais, também trazem perigos para a saúde, das pessoas e dos animais. Quando a água sobe e toma conta das ruas, junto com ela vem o risco de contaminação com a Leptospirose, doença infecciosa que é causada por uma bactéria chamada Leptospira, presente na urina de ratos.

+ Leia mais: Conheça os nomes de cachorro preferidos pelos brasileiros em 2018

De acordo com a veterinária gerente técnica de clínicas do Centro Veterinário Seres, do grupo Petz, Karina Mussolino, a doença que é transmitida principalmente nas enchentes, quando rios e bueiros transbordam, merece a atenção das famílias. O contágio acontece quando pessoas e animais têm contato com a água e alimentos contaminados com a urina dos roedores.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

“A Leptospirose é uma zoonose que pode passar dos bichinhos de estimação ao homem. Por isso, além da vacina que deve ser realizada todos os anos, é necessário ter atenção nos passeios, manter a casa dedetizada e uma boa higienização no local onde os pets costumam ficar”, recomenda Karina.

Efeitos

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

No organismo dos animais, a Leptospirose pode afetar principalmente o fígado e os rins, podendo até levar à morte. Nos pets, os principais sintomas da doença costumam ser febre alta, vômito, diarreia, gengiva e olhos amarelados, urina de cor escura, perda de peso e apetite, e a presença de sangue na urina, fezes, vômito e saliva, entre outros sinais.

+ Leia mais: Medo de trovões? Confira 10 dicas para tranquilizar seu pet

Para evitar a Leptospirose, além da vacinação anual (com vacinas como a V8), o ideal é evitar que o pet tenha contato com a água da enchente, não deixando o bichinho beber, nadar ou brincar na água suja.

Ao menor suspeita da doença, um médico veterinário deve ser procurado, para que o diagnóstico seja feito e o tratamento iniciado, em casa ou no hospital veterinário, caso o internamento seja necessário.

+ Leia mais: Xô pulgas, carrapatos e parasitas! Proteja seu animalzinho e evite infestações

Então, se possível, ao sinal de temporal ou enchente, procure deixar seu “melhor amigo” em um local seguro, longe de rios, bueiros, poças ou outras fontes de água contaminada.

Quer contar uma história com seu pet, sugerir um tema ou publicar a foto de um animal disponível para adoção? Escreva para gente: animal@tribunadoparana.com.br

Adoção responsável

Nina é castrada e se dá bem com outros cães e gatos. Com cerca de cinco anos, esta menina linda está disponível para a adoção. Para levá-la para sua casa, fale com a Zaide (41) 99645-5335. Foto adoção: Divulgação
Nina é castrada e se dá bem com outros cães e gatos. Com cerca de cinco anos, esta menina linda está disponível para a adoção. Para levá-la para sua casa, fale com a Zaide (41) 99645-5335. Foto adoção: Divulgação

Pet gordinho? Saiba como ajudar seu amigão a ficar em forma!