“O que é?”, “Como é feito?”. Dizer a verdade sem prolongar a conversa pode ser a melhor forma de responder os filhos nos primeiros questionamentos sobre amor e sexo. Sem conversa, eles podem pensar, com o passar do tempo, que o sexo é um bicho de sete cabeças e isso pode confundir a mente deles. Por mais delicado que seja o assunto, é importante sempre dialogar. Vamos pensar que isso pode ajudar muito na formação de adultos seguros nos relacionamentos.

Há possibilidade de tratar o assunto com naturalidade. Quem define a hora de falar sobre isso é a criança, quando começa a fazer perguntas. Antes de tudo, uma dica fundamental é que as crianças sejam orientadas em relação ao próprio corpo, e que por baixo das roupas delas há um segredo e ali ninguém, fora elas, pode tocar. A preocupação aqui é para evitar abusos com os pequenos.

Pais! Não pensem que vocês têm que ter respostas para tudo. Somente a abertura em  conversar já é um fator que propicia um ambiente acolhedor para tirar dúvidas sobre um ato tão natural que é o sexo.

A cumplicidade é muito especial para que ao longo do tempo, os filhos não se sintam culpados por estarem curiosos em relação a isso. Nesse sentindo, é interessante observar com quem da família eles se sentem mais confortáveis para falar de sexo. E para finalizar, não esqueçam de mencionar o sexo como um ato de amor: dois fatores importantes para felicidade!