A TAP, companhia aérea portuguesa, pretende duplicar sua participação no mercado paranaense no prazo máximo de quatro anos. Esta é a meta do escritório da companhia em Curitiba, anunciada semana passada pelo gerente regional de vendas para o Paraná, Carlos Dias, durante o evento TAP voa mais alto, com agentes e operadores do Paraná. A TAP tem escritório no Paraná há 35 anos e continua sendo a única companhia aérea européia com escritório próprio no Estado.

Sem revelar quanto significa em números absolutos, Carlos informou que a participação da empresa é de 12,3% no Paraná e se pretende chegar a 25% até 2008. Para isso, assim como para assegurar a liderança da companhia no mercado brasileiro como um todo, a empresa adota uma nova postura comercial que pretende chegar mais perto do cliente, exercendo o que chama de ?portugalidade?.

Até uma nova logomarca foi criada, que passou a vigorar em fevereiro. ?Queremos que o passageiro que sai do Brasil para ir à Europa vá de TAP, mesmo que a intenção não seja ir a Lisboa?, diz Carlos. ?Para ir a Bruxelas (Bélgica), por exemplo, não há vôos diretos do Brasil, então, por que não ir de TAP até Lisboa e lá pegar uma conexão??.

A reunião com o trade turístico paranaense teve o objetivo também de mostrar as vantagens da empresa em relação a outras européias. A principal delas é falar o mesmo idioma e conhecer bem a cultura brasileira. ?Há escritórios da TAP ?falando? português em várias capitais da Europa, o que é uma comodidade para o turista?, lembra o gerente.

Outra estratégia para aumentar ainda mais a participação no mercado brasileiro é a inserção, em março, na Star Alliance, rede que reúne as principais companhias aéreas mundiais, e que facilita ao passageiro TAP efetuar vôos de ligação a partir de mais de dez hubs (aeroportos âncoras) diferentes em diversas localidades dentro da Europa, a partir de Lisboa.

A companhia lançou também promoções como a que o passageiro que compra um bilhete na classe executiva ganha pernoite em um hotel cinco estrelas de Lisboa ou a combinação tarifária, que prevê que o passageiro compre um bilhete pagando um trecho em econômica promocional e outro em executiva, podendo solicitar um up-grade no trecho em econômica, caso tenha milhas suficientes.

Vôo puro

Carlos Dias confessa que o seu sonho como gerente de vendas no Paraná é que a companhia aérea portuguesa ofereça vôos diretos de Curitiba. Hoje os vôos chamados diretos da capital paranaense para Portugal, na verdade, são feitos em code share com a Varig e tem conexão (imediata) em São Paulo ou Rio de Janeiro, ou seja, os paranaenses embarcam em um avião Varig para embarcar numa aeronave TAP só em SP ou RJ. ?O meu sonho é que tenha um ?vôo puro? TAP com avião da TAP no solo do Aeroporto Afonso Pena com destino a Lisboa, nem que seja sazonal?, comenta. ?Seria um fator de alavancagem comercial ao mercado regional, como um todo?, acredita. A passagem (ida e volta) de Curitiba para a Europa pela TAP custa US$ 1.697.

O code-share com a Varig continua e Carlos Dias disse não ter novidades a respeito do interesse da TAP na compra de parte das ações da companhia brasileira.

A TAP transportou, no ano passado, 635 mil passageiros entre Brasil e Europa. Sua participação aqui é de 18% e a meta é chegar a 25% este ano. Em 2003, era 14%.