A dois meses de entrar na órbita de Saturno, a sonda Cassini, um projeto americano e europeu de exploração, produziu um dos mais impressionantes retratos já feitos do planeta e de seus anéis. A imagem, produzida na terça-feira, em cores reais, é o último panorama completo de Saturno produzido pela câmera de ângulo estreito da Cassini. De agora em diante, a aproximação vai impossibilitar retratos globais.

“As variações de cor entre as camadas atmosféricas e aspectos do hemisfério sul de Saturno, bem como diferenças sutis na cor do anel médio B do planeta, são agora mais distintos do que nunca”, relatou o Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa em um comunicado. “Variações de cor implicam composições diferentes.”

Uma análise sem precedentes das variações na composição na atmosfera e nos anéis de Saturno é um dos principais objetivos da missão Cassini-Huygens. Na foto, são visíveis algumas das luas do planeta: Enceladus, Mimas, Tétis e Epimeteus, em sentido horário, a partir do alto à direita.

A nave Cassini, programada para entrar na órbita de Saturno no dia 1º de julho, vai passar quatro anos estudando o planeta e suas luas. Durante este tempo, completará 74 órbitas e fará 44 sobrevôos em Titã, satélite sobre o qual a Cassini lançará a sonda Huygens, para investigar a teoria de que há um oceano sob a superfície congelada.

A aproximação da Cassini entra na fase final no dia 11 de junho, quando a sonda sobrevoará a lua mais distante de Saturno, Phoebe, de que passará a 2 mil quilômetros de distância. No dia 1.º de julho, durante a manobra delicada de inserção na órbita do planeta, a nave vai atravessar os anéis.