Cientistas descobriram 850 novas espécies vivendo na água subterrânea e em cavernas e micro-cavernas do Outback australiano. Os pesquisadores acreditam que esses insetos, crustáceos, aranhas e vermes sejam apenas um quinto das espécies ainda desconhecidas na região. Duas espécies de peixes e duas de enguias, quase todos cegos, também foram descobertas.

“Descobrimos que não é necessário procurar nas profundidades do oceano por novas espécies”, afirma Andy Austin, biólogo da Universidade de Adelaide, na Austrália.

Quase metade das espécies encontradas nas cavernas eram aracnídeos, e mais de metade daqueles encontrados nas águas eram de pequenos crustáceos. “Quase todos são cegos, alguns não têm olhos e muitos não têm pigmentos, e são pálidos ou brancos”, afirma Austin. Além disso, de acordo com o pesquisador, os animais são sensíveis: “Os insetos das cavernas têm longos membros e antenas para sentir vibrações, já que não enxergam no escuro do oceano”.

As novas espécies foram descobertas durante expedições realizadas durante quatro anos a águas subterrâneas e cavernas nas áreas mais áridas da Austrália. Os pesquisadores acreditam que essas espécies se esconderam no subterrâneo há muito tempo, devido a mudanças climáticas que transformaram áreas férteis em um ambiente árido.

De acordo com Austin, a pesquisa cobriu apenas 10% das áreas que podem ter espécies deste tipo, e o objetivo dos estudiosos é expandir a pesquisa, para descobrir mais espécies novas nestas áreas.