Fechar busca

Curitiba e Região

Livre do júri popular

Juiz absolve doutora Virgínia, acusada de mortes no Hospital Evangélico

  • Por Katia Brembatti
Foto: Átila Alberti.

A médica Virgínia Helena Soares de Souza, acusada de provocar mortes de ao menos sete pacientes que estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Evangélico de Curitiba, foi absolvida pela justiça. A decisão da 2.ª Vara do Júri de Curitiba, do juiz Daniel Surdi de Avelar, considerou a argumentação da defesa de que faltavam provas. Ela e os demais profissionais acusados estavam prestes a ser julgados por um júri popular, que não chegou a ser marcado.

O Ministério Público alegou que haviam sido praticados homicídios dolosos duplamente qualificados, agravados por formação de quadrilha de cinco dos sete acusados. Os episódios suspeitos vieram à tona em 2013, a partir de uma investigação do Núcleo de Repressão aos Crimes Contra Saúde (Nucrisa), da Polícia Civil, com base na hipótese de que as mortes dos pacientes eram antecipadas para abrir vagas na UTI daquele hospital.

A acusação considerou que, sob a liderança da médica Virgínia, a equipe aplicava medicamentos bloqueadores neuromusculares, conjugados com fármacos anestésicos, que levavam pacientes naquele estado à morte. Esse grupo de medicamentos foi chamado de “kit morte” nas alegações finais. Além das aplicações dos medicamentos, a ventilação mecânica teria sido diminuída.

Com relação a três fatos apontados pela acusação, o juiz absolveu sumariamente Virgínia e os demais profissionais acusados. Já sobre quatro fatos, a decisão judicial foi pela impronúncia – termo jurídico usado quando a decisão é por não encaminhar o caso para júri popular, concordando com o argumento de falta de provas ou de ausência de indício de autoria (quando não se consegue chegar aos responsáveis). Nesse caso, o processo fica parado, sem nenhum efeito, e pode ser arquivado. Mas pode ser retomado a qualquer momento, caso a acusação apresente provas.

Em função da considerada ausência materialidade sobre os demais crimes, o juiz não avaliou a acusação de formação de quadrilha. Ainda cabe recurso da decisão.

A assessoria de imprensa do Ministério Público do Paraná (MP-PR) afirmou na noite desta quinta-feira (20) que o órgão ainda não foi notificado da decisão e que recebeu informações somente por meio da imprensa. O posicionamento do MP é de que, se os termos da decisão forem os divulgados pela imprensa, irá recorrer da decisão por entender que não foram levadas em conta as provas periciais. E, nesse caso, teriam sido considerados apenas os depoimentos das testemunhas, inclusive de médicos que trabalharam com a médica Virgínia Soares de Souza e que continuam trabalhando no Hospital Evangélico.

Uma coletiva de imprensa para explicar a decisão foi marcada pela defesa para a manhã desta sexta-feira (21). Segundo o advogado Elias Mattar Assad, a médica estará presente. O caso teve cobertura até pela imprensa internacional, que chegou a chamá-la de “Doutora Morte”. A médica chegou a ser presa, em fevereiro de 2013. Em entrevista concedida à época da acusação, ela disse que a “verdade vai prevalecer”.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

28 Comentários em "Juiz absolve doutora Virgínia, acusada de mortes no Hospital Evangélico"


Alex
Alex
6 dias 12 horas atrás

Graças a Deus, agora vai começar abrir vagas nas UTIs de Curitiba.

Marcos Lopes
Marcos Lopes
6 dias 12 horas atrás

a impunidade brasileira

marcelo santos
marcelo santos
6 dias 12 horas atrás

O problema da medica em questão que era se achava deusa e nao sabia trabalhar em equipe, e isto ela arrumou inimigos , mas dizer que estava errada ou errou é muito complicado, medico é igual a qualqiuer outra pessoa, o unico milagre que se consegue é melhorar a saude de alguem , mas dar vida é so D

marcelo santos
marcelo santos
6 dias 13 horas atrás

Dizer que esta medica errou é um longo caminho, em UTI ha casos irreversiveis , que quem não entende acha que ha salvação, mas é muito melhor que pessoa descanse do que ficar sendo judiada e sofrendo mais ainda com dores pois não ha mais nada a fazer.

tkt_fbe_148422
tkt_fbe_148422
6 dias 13 horas atrás

Não a conheço, mas aprovo a decisão.

EL PODEROSO TORNADO!
EL PODEROSO TORNADO!
6 dias 13 horas atrás

Torça para que você ou um familiar seu não vá parar numa UTI destas, quem sabe possa ter lá uma Virgínia aguardando de “braços abertos” para te encaminhar para o fim do túnel!… kkkkkkkkkkkkkkkkkk

jefferson
jefferson
6 dias 15 horas atrás

brasil… aqui nada é levado a serio… lamentavel…

Santos Cap
Santos Cap
6 dias 15 horas atrás

Essa médica é a pessoa certa pra cuidar da saúde dos presos da Lava jato , principalmente do lula .

coxa branca
coxa branca
6 dias 15 horas atrás

que existe corrupção,incompetência e eutanásia no meio médico isso é verdade, porém não acreditei desde o início que essa médica junto com os outros acusados praticavam deliberadamente a eutanásia no hospital pra liberar leitos, até sou a favor da eutanásia desde que seja vontade do paciente/família

André G
André G
6 dias 19 horas atrás

Com certeza essa médica farsa acelerou a morte de muitas vidas, assim como outros médicos tralha e hospitais continuam exercendo essa prática, infelizmente quando a pessoa entra no hospital, dificilmente consegue sair, por isso sou contra qualquer médico, são uns verdadeiro mercenários, enganadores!

Mário
Mário
6 dias 19 horas atrás

Milhares entram e saem de hospitais todos os dias , até mesmo do famigerado sus (se não forem expulsos
Se vc ficar doente e tiver uma hemorroida irá
recorrer a quem? Ao page da tribo?
Gostaria de saber quantos aninhos tem está pessoa que escreve essas palavras e qual o nível de escolaridade .

Alto de tantas glorias
Alto de tantas glorias
6 dias 21 horas atrás

Mmeeee

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas