Temporada de praia, parque, clube e piscina exige protetor solar. Mas será que você sabe aplicá-lo corretamente? A médica dermatologista Maria Paula Del Nero, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, indica os 10 erros que podem levar a uma menor proteção:

LEIA TAMBÉMCom menos gente nas praias, cai o número de ocorrências e afogamentos

1- Comprar qualquer protetor

Saiba qual é seu tipo de pele antes de adquirir o protetor. Isso ajuda a torná-lo mais durável, protegendo efetivamente. Para as peles oleosas, o ideal são aqueles que usam como veículo de proteção o gel ou sérum, para as mistas, o gel creme e, para as secas, os em creme.

2 – Achar que só a roupa garante proteção

Deixar de passar protetor porque vai ficar vestido sob o sol não é o melhor a fazer, pois o tecido não é totalmente eficaz. Use mesmo embaixo de biquínis e maiôs, pois os raios UV penetram na fibra.

3 – Não passar ao ficar em local fechado

Em ambientes fechados, mas com luzes visíveis, o protetor age contra o envelhecimento da pele causado pela luz, inclusive a proveniente de computadores, tablets e celulares.

4 – Confiar apenas na maquiagem com FPS

Achar que a maquiagem com fator de proteção solar basta também é um erro, por ser aplicada de maneira desigual. Aplique protetor antes de se maquiar.

LEIA TAMBÉM É seguro frequentar piscinas em plena pandemia?

5 – Aplicar apenas de manhã

Não existe isso de aplicar uma vez apenas e estar seguro por todo o dia. Reaplique a cada três horas ou ao suar demais, após banhos e piscina ou de mar. O ideal é programar no celular as reaplicações. Para quem fica em ambiente fechado e climatizado, o protetor dura 12 horas e deve ser reaplicado após esse tempo.

6 – Passar só em dia ensolarado

Mesmo em dias nublados, os raios de Sol nocivos seguem ali e podem causar queimaduras em quem está desprotegido. Usar protetor de Fator de Proteção Solar (FPS) 30 é o ideal.

7 – Aplicar apenas no rosto

Não apenas a face deve receber o produto. O protetor deve ser aplicado em toda a pele exposta, incluindo pés, orelhas, colo, ombros, costas, braços, pernas e pescoço.

8 – Usar pouco para economizar

Não adianta economizar na hora da proteção, o ideal é usar, no corpo, o equivalente a três colheres de sopa. Para o rosto, basta uma colher de café do protetor. Não aproveite produto vencido, pois seus componentes perdem a eficácia.

9 – Descuidar ao se exercitar

Para aqueles que fazem exercícios o ideal é investir em um produto que não escorra com o suor, ou seja, que fique mais aderido à pele. Protetores infantis ou específicos para esportes são mais resistentes à água e não escorrem nos olhos.

10 – Deixar de reaplicar filtros “à prova d’água”

Protetores “resistentes à água” devem ser aplicados novamente a cada duas horas ou após o banho de piscina, mar ou suor em excesso.