Autoridades da Secretaria Estadual de Saúde do Paraná (Sesa), seguem preocupados com o número elevado de mortes de pessoas acima de 60 anos, considerado por especialistas como principal grupo de risco da doença. Dos 961 óbitos em todo o Estado, 699 foram de idosos, o que representa 73%. Cuidados de todos os lados precisam ser reforçados para este momento para evitar o aumento da letalidade.

LEIA TAMBÉM Carros de som em Curitiba ganham popularidade em aniversários na pandemia

A preocupação com quem reside com alguém do grupo de risco é diário. Algumas medidas de proteção são essenciais e devem permanecer até mesmo quando acabar a pandemia. Pessoas que trabalham ou chegam da rua devem chegar em casa e partir para o banho. Colocar roupas limpas e manter ambientes limpos e arejados também tem sua importância. Outras recomendações é o uso de máscara mesmo dentro do imóvel, separação de utensílios e lavagem constante das mãos.

O contágio intrafamiliar também é motivo de preocupação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Curitiba.  A secretária Márcia Huçulak já criticou em algumas oportunidades familiares que passam horas ao lado de idosos, especialmente em festas de aniversários. “Só saia se você realmente precisar. Não é o momento de fazer churrasco, confraternização, aniversário. O momento é de cada um ficar na sua casa, especialmente os grupos de risco que a gente vem falando”, relatou Huçulak em maio. Inclusive, para alguns especialistas, a partir do feriado do Dia do Trabalho, a capital registrou um acréscimo no número de casos que hoje obrigou a prefeitura a adotar medidas severas de combate a covid-19.