A prisão domiciliar de Juarez Ferreira Pinto, condenado a 65 anos pelo crime do “Morro do Boi”, cometido em 2009, em Matinhos, causou revolta a uma de suas vítimas. Monik Pegorari de Lima, que ficou paraplégica por causa dos tiros, desabafou que a lei está mais preocupada com o bandido, que com a vítima. Juarez também foi condenado pela morte do namorado de Monik, Osíris del Corso.

O direito de cumprir a pena monitorado por tornozeleira eletrônica, foi dado sexta-feira a Juarez, portador do vírus HIV e doente de cirrose e hepatite C.

“Fomos à Justiça, com pareceres, atestados e laudos, que indicam que ele precisa de tratamento médico em casa”, afirmou o advogado Cláudio Dalledone Júnior.