A Polícia Militar esteve em luto neste final de semana pela morte do soldado Wesley Wichnieski, da equipe de Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam). O rapaz, que estava na corporação há dois anos e três meses, morreu ao bater a moto em um biarticulado da linha Pinhais/Rui Barbosa na última sexta-feira (16), durante a escolta do time de futebol do Boa Esporte, adversário do Paraná Clube no Estádio Durival Britto e Silva, a Vila Capanema.

Por causa da morte do soldado, a PM decretou luto oficial de três dias. Wesley, que estava noivo e tinha conceito excelente, foi enterrado na manhã deste domingo (18), no cemitério Jardim da Saudade, no bairro Portão.

Na cerimônia, muitos policiais estavam presentes. Todos com um só pensamento: grande perda para a corporação. “Era um policial novo, que tinha vontade de trabalhar e sempre muito companheiro e que não perdia a força nunca”, disse o tenente Rueda, comandante da Rocam do 20º Batalhão. O tenente, que não conseguiu dizer muitas palavras sobre o companheiro, contou ainda que no dia do acidente o soldado estava feliz. “Conversamos bastante, tiramos fotos e, como sempre, comemoramos o trabalho da noite”.

Divulgação/Polícia Militar
Foto do soldado Wesley tirada 15 minutos antes do acidente fatal.

O soldado estava na Polícia Militar desde 2012 e fazia parte da Rocam 20º Batalhão há um ano. “Só nós policiais sabemos o quanto é complicado perder um companheiro de trabalho, isso porque sempre passamos a maior parte de nosso tempo junto com eles, eles são nossa família”, lamentou o tenente.

De acordo com a nota oficial da PM, apesar de novo na corporação, o soldado Wesley tinha conceito excelente. Informação que foi confirmada pelo comandante direto dele, o cabo Cesar Santos. “Sempre sorridente e prestativo. Era um policial exemplar e não digo isso só porque aconteceu essa tragédia não”, contou. O cabo contou que passou pelo local do acidente minutos antes de Wesley. “Estava na frente de todos. Quando percebemos que o Wesley demorou a chegar, voltamos ao local e nos deparamos com o acidente”.

O treinamento da Rocam, segundo os próprios policiais, é feito durante meses e a preparação é extensa. “O que aconteceu foi uma fatalidade mesmo, que poderia ser comigo ou com qualquer outro que estivesse trabalhando, infelizmente”, disse o cabo Cesar Santos.

Batida

O acidente aconteceu por volta das 23h40 de sexta-feira (16), quando o soldado seguia no sentido Centro, para levar os jogadores do Boa Esporte ao hotel depois do fim da partida. Em frente à Rodoviária de Curitiba, na Avenida Presidente Affonso Camargo, Wesley atingiu o biarticulado de frente. O soldado estava com outros policiais, que pararam e chamaram o Siate, mas os socorristas nada puderam fazer.

A suspeita para o acidente é de que o soldado tenha se distraído. “Impossível afirmar com exatidão o que aconteceu, mas sabemos que de moto um minuto de descuido que seja já é inevitável”, explicou o cabo que comandava a escolta. A moto que o soldado pilotava parou embaixo do biarticulado e, segundo os policiais, o motorista ainda tentou evitar o acidente. “O condutor do ônibus tentou fazer uma manobra e jogar o veículo para o lado para tentar evitar a batida, mas a moto o atingiu de frente”. Os policiais, desde os que trabalhavam diretamente com Wesley, quanto os colegas de farda, ficaram inconsoláveis.

Colaboração
,