Uma operação da Polícia Federal (PF), batizada de  “Operação Terminal II” desmontou uma quadrilha que atuava em diversos estados do Brasil. No Paraná foram presas cinco pessoas, entre Curitiba e Colombo, mas, em todo o País, pelo menos 40 já foram presos.

A quadrilha era especialista em roubos de caixas eletrônicos, no entanto vários integrantes têm envolvimento em outros tipos de crimes, como latrocínio e homicídio. Os agentes cumprem 44 mandados de prisão nos Estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Segundo a corporação, todos os suspeitos são classificados como de alta periculosidade

Estimativas preliminares baseadas em informações dos bancos dão conta de que cerca de R$ 4 milhões foram levados no período da investigação, além do prejuízo resultante do arrombamento e inutilização dos próprios caixas eletrônicos na ordem de R$ 3 milhões, informou a PF.

Ainda nesta terça-feira (7), a PF deve realizar uma entrevista coletiva. Os supeitos podem ser indiciados por furto qualificado e formação de quadrilha, podendo seu condenados a até 11 anos de detenção, em regime fechado.

Investigação

A PF informou que a operação teve início em novembro de 2008, com a prisão de nove suspeitos, quando foi investigada a participação de criminosos neste tipo de roubo. Os agentes apuraram que os investigados passaram a migrar de um estado para outro após a execução de roubos bancários, para dificultar a investigação das polícias estaduais.

Como agências da Caixa Econômica Federal (CEF) passaram a figurar como alvo dos ladrões, a PF entrou no caso por meio da sua unidade especializada, a Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio (Delepat).