enkontra.com
Fechar busca

Painel do Crime

Operação Dínamo

Operação Dínamo apreende 89 t de dinamite

A maioria dos explosivos não possuia a numeração de rastreabilidade

  • Por Janaina Monteiro

Ação conjunta entre a Delegacia de Explosivos, Armas e Munições (Deam) e o Exército apreendeu 89 toneladas de bananas de dinamite, em fábricas e empresas que comercializam material explosivo na Região Metropolitana de Curitiba, como Almirante Tamandaré, Rio Branco do Sul, Bocaiuva do Sul, Cerro Azul. Segundo a polícia, a maioria da carga apreendida não tinha o número de rastreamento, contrariando as normas do Exército.

O delegado Alfredo Dib explicou que, sem este controle, a dinamite pode ser facilmente destinada para crimes, como explosões de caixas eletrônicos. Parte da dinamite, segundo a polícia, entra principalmente pelo Paraguai. “Nossas ações são constantes e já realizamos mais de 1.500 vistorias, trabalhando na prevenção. Não temos visto mais explosões de caixas eletrônicos. Ultimamente, as quadrilhas vêm usando outros equipamentos, como picaretas e pés de cabra”, observou o delegado.

Durante as 118 vistorias realizadas no mês passado, foram feitas 16 autuações. A dinamite foi apreendida em três grandes lotes, um de 20 toneladas, outro de 62 toneladas e um terceiro de sete toneladas. Além da dinamite, foram recolhidos 99 retardos para explosivo, 10 quilos de pólvora caseira, 40 metros de estopim, 936 peças de iniciadores, 1,8 mil espoletas e 75 quilos de Anfo (explosivo em gel). “O manuseio, o transporte e o armazenamento incorretos oferece risco a todos. Houve até criminoso que morreu ao usar a quantidade errada de explosivo”, destaca o delegado.

Processo

Os responsáveis pela carga responderão a processo administrativo, segundo informou o Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados (SFPC) da 5.ª Região Militar do Exército. “É a oportunidade que o dono do material tem para se defender. Caso contrário, além de perder o explosivo e das sanções administrativas, pode responder na esfera criminal”, disse Dib.

Também participaram da ação o Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), a Polícia Militar, membros dos ministérios públicos Militar, Federal e Estadual, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), já que foram feitas também blitze nas estradas.

Confira o vídeo com a apreensão do explosivo.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Últimas Notícias

Mais comentadas