Mauro e Adelaide Bazana, pais de um rapaz de 21 anos, estão vivendo um drama que, infelizmente, vem se tornando comum entre famílias curitibanas de todas as classes sociais: um filho perdido para o submundo das drogas. Vinícius de Carvalho Bazana, o filho, está desaparecido desde a última sexta-feira. O rapaz é viciado em crack e a família teme pelo pior: que ele tenha sido assassinado por traficantes, em busca de acerto de contas.

Mauro já registrou a queixa de desaparecimento na Delegacia de Homicídios. Aflito, ele espera que, com a divulgação da foto do filho pela imprensa, outras pessoas possam ajudá-lo a localizar o rapaz. Mauro contou que Vinícius ficou internado por mais de um mês, recentemente, tentando se livrar da dependência das drogas. Saiu da clínica “limpo”, mas não resistiu ao assédio dos traficantes. “Faz pouco tempo, ele voltou a fumar crack. E não é de pouquinho, não. A gente sabe que ele fuma muito”, lamentou o pai.

Favelas

Vinícius estava morando com o irmão mais velho, que trabalha fora, em uma residência na Rua Valentim Bukowiski, no Guabirotuba. O irmão, Rafael, foi o último a vê-lo. Quando chegou do trabalho, sexta-feira passada à noite, Rafael encontrou a porta dos fundos da casa aberta e as chaves de Vinícius jogadas no chão. O aparelho de TV, a máquina de lavar roupas e a mochila de Vinícius haviam desaparecido. O pai acredita que ele pode ter fugido dos traficantes, mas receia que o rapaz tenha sido pego por eles. “A gente sabe que ele pegava droga na favela do Rio Belém e também estava metido com os traficantes da Vila das Torres”, comentou.

Vinícius tem 1,98m de altura, é magro e está com os cabelos raspados. Tem uma carranca tatuada no braço. Qualquer informação pode ser comunicada aos telefones 372-9130 ou 9604-4439, dos pais de Vinícius.