Menino morre afogado no Rio Piraquara

A prática perigosa de se refrescar em cavas e rios foi responsável por uma fatalidade no início da tarde de ontem, em Piraquara. Gabriel dos Santos Geloni, de apenas 7 anos, morreu afogado quando se banhava com o irmão e outras crianças, no Rio Piraquara, às margens da Rodovia João Leopoldo Jacomel.

O pai da vítima, José Aparecido Geloni, contou que os irmãos saíram de casa, no Guarituba, sem avisar e foram para o rio, que fica nas imediações do Centro de Ensino e Instrução do Corpo de Bombeiros. “Estou arrasado. Nunca deixo que eles nadem ali, mas hoje eles fugiram”, lamentou.

De acordo com os bombeiros, a criançada costuma ficar na beirada, onde é raso. Porém, a correnteza levou o garoto para o meio do rio. Gabriel afundou e se afogou, na frente do irmão, que nada pôde fazer. “A profundidade no local onde o menino morreu é de aproximadamente dois metros”, disse o tenente Fernando Tratch, dos bombeiros.

Comoção

Gabriel morava com os pais e quatro irmãos, todos pequenos. Na hora em que o corpo foi resgatado da água pelos bombeiros, houve forte comoção por parte dos pais e do garoto que viu o irmão se afogar. Desolados, eles se abraçaram e choraram às margens do rio.

A área onde as crianças brincavam é privativa e proibida para banho e pesca. No entanto, mesmo com as placas instaladas em volta do rio, a norma não é respeitada. “Infelizmente, não há como controlar o acesso das pessoas”, disse o tenente.

Calor

O bombeiro lembrou dos perigos de mergulhar em cavas e rios, principalmente para as crianças, mas lamentou a dificuldade em impedir que isso aconteça. “A recomendação é para que as pessoas evitem esses lugares, mas infelizmente boa parte da população não tem condição de frequentar um local privado e seguro e, por isso, acaba se refrescando em cavas e rios, principalmente em épocas de mais calor”, declarou Tratch.