Apesar de, no acumulado do ano, a Cidade Industrial de Curitiba (CIC) ainda ser o bairro da capital com maior número de mortes violentas (41), a região mais populosa de Curitiba surpreendeu as autoridades de segurança pública no mês passado, por ter registrado apenas um homicídio. O crime ocorreu na Rua Estanislau Piasecki, no Jardim Gabineto, onde um homem de 47 anos foi baleado na barriga. Ele foi socorrido e morreu dia 10, no Hospital Evangélico.

Se não fosse por esta vítima, a CIC permaneceria sem nenhum crime registrado em junho. Antes deste, o último assassinato ocorreu em 28 de maio, mês em que o bairro registrou apenas cinco mortes. Nos últimos quatro meses, a redução tem sido gradual.

O coronel Sérgio Cordeiro de Souza, comandante do 23.º Batalhão da Polícia Militar (PM), que atende especificamente a CIC, atribuiu o resultado à instalação das UPS e ao aumento no número das viaturas circulando no local, aliado ao empenho dos policiais que costumam fazer patrulhamento nos locais com pontos de tráfico de drogas. Ele lembra que cinco UPS foram instaladas no bairro, no ano passado. “Temos a redução não só dos homicídios, mas furtos e roubos também estão em queda”, disse o coronel Roberson Bondaruk, comandante geral da PM.

Já o delegado Rubens Recalcatti, titular da Delegacia de Homicídios, também comemorou a diminuição, que ocorreu em toda a capital, e não somente na CIC. Ele ressaltou que a queda também se deu pelas várias operações feitas pela unidade especializada em toda Curitiba, à caça de homicidas. Vários suspeitos foram presos.

Histórico

Desde que o Paraná Online começou a fazer o seu Mapa da Violência, em agosto de 2009, junho foi o mês com a menor quantidade de mortes violentas: 86, das quais 34 ocorreram em Curitiba. Até então, junho de 2012 é que mantinha o recorde: 102 mortos.