Rui levava a droga embrulhada
em papel de chocolate.

Um quilo de cocaína foi apreendido por policiais do 7.º Distrito (Vila Hauer), no final da tarde de segunda-feira, no centro da cidade. Rui Evangelista, mais conhecido como “Baixinho”, 43 anos, carregava dois pacotes embrulhados em papéis de ovos de Páscoa, dentro de uma pasta preta e foi autuado em flagrante por tráfico de drogas, pelo delegado Stélio Machado. Rui confessou à polícia que é traficante e disse que traz droga de Corumbá (MT) para o Paraná desde janeiro. Segundo ele, o Paraná é o único Estado em que se aceita a droga “batizada” , ou seja, misturada com outras substâncias.

Denúncia

O delegado Stélio Machado disse que Rui foi denunciado por um de seus “clientes”. O viciado foi detido há pouco tempo portando um papelote de cocaína. Ao ser levado para a delegacia, admitiu que é dependente químico e comprava a droga de “Baixinho”, que seria morador em Mato Grosso e costumava transportar droga para o Paraná. Segundo o rapaz, o traficante costumava agir no centro da cidade, mais precisamente na região conhecida como “Boca do Lixo”, que abrange as ruas Cruz Machado e Saldanha Marinho. O viciado descreveu o traficante como sendo um homem de aproximadamente 1,60 m de altura, com traços de índio ou boliviano, moreno. “Nossos policiais realizaram buscas na região e não demoraram a localizar o suspeito. Ao fazer a abordagem, localizaram a droga e deram voz de prisão”, informou o delegado.

Stélio calcula que a cocaína apreendida vale cerca de R$ 12 mil. “Isto do jeito que está, mas normalmente quando chega a Curitiba é misturada com outras substâncias químicas e os traficantes triplicam o peso. Depois vendem em papelotes, o que aumenta e muito o lucro”, salientou o policial.

Confissão

Em seu depoimento, Rui relatou que já tem passagens por contrabando e receptação. Ele contou que “trabalhava” como batedor para ladrões de carros até ser flagrado pela polícia de Dourados (MS) e preso. Ele ficou recolhido na cadeia até janeiro e quando saiu resolveu comercializar cocaína, fazendo a distribuição em Mato Grosso do Sul e no Paraná, sendo que as cidades visitadas eram Curitiba, Londrina e União da Vitória. Antes de vir para Curitiba, Rui viajou para Corumbá onde comprou 800 gramas de cocaína, depois “batizou” a droga com cafeína, perfazendo um quilo.