Michael ou Maxie, falso executivo.

Um estrangeiro, em situação ilegal no País, foi preso por policiais do 1.º Distrito (centro) acusado de estar aplicando golpes contra mulheres em vários Estados brasileiros. Com uma boa conversa, ele conseguira tirar dinheiro das vítimas para seu desfrute. A polícia tem duas queixas registradas contra ele e, em uma delas, o acusado teria lesado a vítima em R$ 10 mil.

Não se sabe ainda o nome correto do detido nem sua nacionalidade. Ele disse que entrou ilegalmente no Brasil há seis anos e que passou o último ano em Curitiba. Nos documentos apreendidos com ele, aparecem dois nomes: Michael B. Kennely e Maxie Garie King. A Polícia Federal já tem conhecimento do caso e, a partir das impressões digitais, tentará identificá-lo.

Golpe

De acordo com o delegado Fauze Salmen, o detido tinha como alvo preferencial as mulheres e se fazia passar por um alto executivo internacional. Para isso, utilizava vários artifícios, dentre eles um crachá de apresentação, com sua foto, onde constava que era uma espécie de agente financeiro. “Ele contava que ganhava entre 30 e 45 mil dólares e que gostava de ajudar as mulheres com que se relacionava. Com as duas vítimas ele manteve relações sexuais”, disse o delegado.

Segundo o boletim de ocorrência da polícia, em um dos casos, o estrangeiro deu indícios de que tinha a intenção de fazer investimentos no setor imobiliário na cidade. Para isso montou todo um cenário onde demonstrava à vítima que, aparentemente, tinha um estilo de vida de alto nível e muito dinheiro. Levou a mulher para ver carros importados, apartamentos e freqüentava bancos internacionais. Depois de conseguir a confiança da parceira, ele pedia dinheiro emprestado da vítima.

No primeiro caso registrado, ele pegou R$ 10 mil da vítima, dizendo que precisaria da quantia para fazer uma viagem. Em contrapartida fez falsos depósitos na conta corrente da lesada no valor de R$ 270 mil. Os depósitos eram feitos em caixas automáticos, através de envelopes. Acontece que o vigarista não colocava nenhum dinheiro dentro do envelope e os depositava na máquina que emitia extrato. Com o extrato em mãos, no valor de R$ 270 mil, ele passava um fax para a lesada, confirmando a transação financeira. O golpe só era descoberto quando ele estava em outra cidade.

Mais um

O golpe que levou o estrangeiro à cadeia teve início no último dia 19. Ele conseguiu ludibriar uma jovem da cidade de Anchieta (SC) mas, toda a trama ocorreu em Curitiba. Para a vítima, ele repetiu a sua tática de aproximação, mas no lugar de prometer apartamentos, disse que compraria um máquina agrícola para a família dela. Animada com o novo companheiro, a mulher ligou de Curitiba para os pais, em Santa Catarina, contando a novidade. A mãe desconfiou e acionou a polícia que passou a acompanhar os passos do “trambiqueiro”.

O homem chegou, inclusive, a levar a vítima para ver maquinários agrícolas, para dar credibilidade ao seu golpe. Para concretizar a ação, ele fez um documento falso, em que autorizava a transferência de 70 mil dólares para a conta da vítima. Com esse dinheiro deveria ser comprado um carro e a máquina agrícola. Porém, para a transferência ser concretizada, o estrangeiro “solicitou” que sua companheira lhe repassasse R$ 6 mil em dinheiro. Foi descoberto e preso em seguida.

O delegado Salmen apresentou alguns documentos utilizados pelo estelionatário, dentre eles, cópias enviadas para ludibriar suas vítimas.