João de Noronha
Felipe parou o carro e
foi morto pelo passageiro.

A divisa entre Pinhais e Piraquara foi palco de cenas de horror na manhã de ontem. Dentro de quatro horas, pescador encontrou cadáver, moradores se surpreenderam com motorista morto no interior de um veículo e pai morreu afogado, enquanto se divertia com a filha e o genro. Embora não haja ligação entre as mortes, todas elas aconteceram em locais muito próximos ao parque.

O primeiro sinal de que a manhã seria agitada deu-se às 8h30, quando um pescador encontrou, em um terreno próximo à Estrada Ecológica, um homem morto. Amordaçado, vendado e com as mãos amarradas, o desconhecido, de aproximadamente 30 anos, havia sido executado com dois tiros, por volta das 23h30 da noite anterior.

De acordo com a perita Jussara, da Polícia Científica, a execução ocorreu no mesmo local onde o corpo foi encontrado. ?Provavelmente, os assassinos o fizeram caminhar até lá?, disse. Sem que pudesse enxergar ou reagir, o homem foi morto com um tiro no rosto e outro no peito.

A forma violenta com que o crime foi cometido chamou a atenção do investigador Marçal, da delegacia de Pinhais. ?Vamos investigar essa crueldade.

Quem cometeu o crime deveria ter conhecimento da região porque, à noite, o local é muito escuro?, contou. Porém, segundo ele, a investigação só terá início após a identificação da vítima, que até a noite de ontem não havia sido feita.

O homem vestia camiseta verde, calça jeans preta e sapatos marrons. No bolso da calça, havia R$ 12,00 e o folheto publicitário de um shopping, além de chaves e um chaveiro em formato de raio.

Carro

Horas depois, a aproximadamente 200 metros de onde o corpo do desconhecido foi achado, um veículo Siena, parado no meio da Rua Filadélfia, Jardim Holandês, chamou a atenção de populares. Ao verificar o veículo, encontraram o motorista, Felipe Sulato de Couto, 22, morto com dois tiros. O soldado Fragoso, do 20.º Batalhão da Polícia Militar, que passava pelo local, foi acionado e verificou que a placa do carro, MCY-5628, era fria. Mais tarde, foi confirmado que o carro havia sido roubado.

O crime teria ocorrido por volta das 12h de ontem.

Pelas marcas dos tiros, no peito e no rosto da vítima, a perita Jussara acredita que o autor do crime tenha sido o passageiro de Felipe. De acordo com a perita, a forma como o carro ficou posicionado e o freio de mão puxado indicam que o veículo já estava parado quando houve os disparos.

Felipe morava em Pinhais e, como não portava documento de identidade, foi reconhecido pela sogra, por meio do telefone celular encontrado no carro. Tanto o aparelho, quanto o veículo foram apreendidos pela polícia para serem utilizados nas investigações.

Pai é engolido pela cava


Rafael não sabia nadar e afundou na água. Foto: João de Noronha.

Também por volta do meio-dia de ontem, o marceneiro José Rafael de Jesus Gonçalves, 34 anos, morreu afogado em uma cava. José era morador no Cajuru e teria levado a filha adotiva, de 15 anos, e o genro, para passear. As informações são de que José, por não saber nadar, teria afundado ao entrar na água. O genro ainda teria tentado salvá-lo, mas sem sucesso.