O réu José Aparecido Rocha, 38 anos, acusado de homicídio qualificado, foi condenado a 18 anos e seis meses de reclusão, em regime inicial fechado, em julgamento realizado na última sexta-feira (5), no Tribunal do Júri de Iretama, região de Campo Mourão.

Rocha foi julgado pelo assassinato de João Inácio da Silva, morto em 4 de junho de 2007, nas proximidades da Igreja Matriz de Iretama, com golpes de uma garrafa de vidro quebrada. Foram atingidos a cabeça e pescoço da vítima, provocando ferimentos fatais.

“Depois de desferir os golpes, ainda foi colocado um sapato dentro da garganta da vítima, aberta pelo ferimento”, conta o promotor de Justiça André Del Grossi Assumpção, que atuou na acusação, no júri presidido pelo juiz Fabrício Voltaré.

No decorrer do processo, a defesa havia alegado incapacidade do réu. Exames feitos pelo Complexo Médico Penal, em Curitiba, no entanto, confirmaram a capacidade do acusado de responder por suas ações. Dirceu de Freita Balbino, 30 anos, também foi denunciado pelo crime, em setembro de 2007, e foi condenado em 6 de março de 2008, a 12 anos de reclusão. Ele cumpre pena na Penitenciária de Guarapuava.