O Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), da Polícia Civil do Paraná, divulgou, nesta terça-feira (07), o retrato falado do suspeito de ter furtado cerca de 120 obras literárias raras, da Biblioteca Pública do Paraná, em Curitiba. Segundo a polícia, o homem usava uma capa de chuva de tecido grosso, aparenta ter mais de 20 anos, é alto, moreno, fala bem e freqüentou a biblioteca várias vezes, acompanhado por um homem mais velho e algumas moças ou sozinho.

A delegada Vanessa Alice, que conduz as investigações, desconfia que o ladrão faça parte de uma quadrilha internacional que furta obras raras para vender a colecionadores. ?Vamos agora comparar a forma de agir deste homem com a ação de outros que furtaram relíquias de acervos do Rio de Janeiro e São Paulo. Não acreditamos que aqui no Paraná teria comércio para esse tipo de obra?, disse a delegada.

Segundo dados levantados pela polícia, na biblioteca, o ladrão se identificava como Victor Hugo B. da Silva, repassou um endereço inexistente e alegava ser estudante de Cinema e Biblioteconomia. ?Ele demonstrava sempre interesse por obras literárias raras e periódicos, especialmente alguns volumes de coleções e revistas da década de 80. Tirava muitas fotografias com um telefone celular e fazia anotações sobre as publicações?, contou. Para os funcionários da biblioteca, o ladrão teria comentado que estaria fazendo um livro sobre a obra de cartunistas, por isso a necessidade da pesquisa minuciosa.

Detalhe

O retrato falado divulgado pelo Cope foi feito a partir das informações prestadas por funcionárias da biblioteca. Foi a responsável por uma das seções da biblioteca, a de obras raras, que notou a falta de algumas das obras. O setor de periódicos foi o segundo setor a observar a falta das obras. Os detalhes sobre as obras furtadas e seus respectivos valores devem ser divulgados pela direção da Biblioteca Pública do Paraná nesta quarta-feira (08).