O governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), determinou nesta tarde a paralisação dos contratos de licitação dos lotes 3 a 8 da Linha 5 – Lilás da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô). A medida foi tomada após denúncia de supostas irregularidades no processo licitatório, uma vez que os consórcios vencedores teriam sido escolhidos quase seis meses antes da divulgação do resultado, na quinta-feira. A denúncia foi feita pelo jornal Folha de S.Paulo, que registrou em cartório no mês de abril o nome dos vencedores na disputa.

Goldman fixou que a assinatura da ordem de serviço para o início das obras vai depender da conclusão de duas investigações requeridas hoje. Caso a denúncia de irregularidade se confirme, o Governo de São Paulo cogita cancelar os contratos e abrir nova licitação.

O Palácio dos Bandeirantes determinou a abertura no início desta tarde de investigação pela Corregedoria Geral da Administração, que deve apurar o caso junto ao Metrô. O secretário da Casa Civil de São Paulo, Luiz Antônio Marrey, prepara pedido, que deve ser apresentado ainda hoje, para que o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) investigue o episódio.

No total, os sete lotes custarão em torno de R$ 4 bilhões ao Governo de São Paulo. Os consórcios vencedores tiveram, entre outras empreiteiras, a Camargo Corrêa e a Andrade Gutierrez. Em evento nesta manhã, o candidato do PSDB à sucessão presidencial, José Serra, defendeu a suspensão do contrato. O tucano era o governador de São Paulo quando as licitações foram abertas, em outubro de 2008.