Mais votado para a Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (Alep) no pleito de 2018, o deputado estadual Delegado Francischini (PSL) foi eleito presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na tarde desta terça-feira (12). A reunião da CCJ durou menos de 30 minutos e serviu apenas para confirmar uma vitória já negociada previamente nos bastidores. Único adversário, o deputado estadual Nelson Justus (DEM) desistiu da disputa pelo comando da CCJ às vésperas, na segunda-feira (11). Ex-presidente da Alep, Justus comandava a CCJ há oito anos.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

A favor de Francischini, pesou o apoio do deputado estadual Hussein Bakri (PSD), que é líder do governo Ratinho Junior (PSD) na Casa. Bakri falou sobre a necessidade de “alternância de poder” e de “oxigenação da CCJ”, mas admitiu que o tamanho do grupo de Ratinho “também foi considerado”. O PSL de Francischini tem oito parlamentares na Alep – a maior bancada partidária da Casa.

“Eu entendo que ele é a melhor alternativa para este novo momento da política. Mas não posso ser hipócrita. A bancada do Francischini também pesou. Não vou negar”, disse Bakri. Ao assumir o posto, Francischini citou Justus, que “soube conduzir as coisas em alto nível”.

Justus permaneceu como um dos 13 membros da CCJ, e também deve ganhar o comando da Comissão de Finanças. À reportagem, ele ainda sugeriu que não pretende sair de cena: “Eu não nasci presidente da CCJ, mas volto daqui a dois anos com certeza”.

+ Leia mais: Curitibano fatura R$ 50 mil em sorteio do Nota Paraná. Confira!

Justus acrescentou que o DEM está na base do governo Ratinho e que apenas desistiu da disputa com Francischini porque entendeu que a “entourage do governo Ratinho” queria “dar uma oportunidade” ao colega do PSL.

“Eu ganharia as eleições, mas eu achei que não tinha o direito de machucar algumas pessoas que votariam em mim. Me sentiria muito mal. Ficaria numa posição incômoda. Porque a ideia da entourage do governo Ratinho era dar uma oportunidade ao Francischini, que já tinha tentado ser presidente da Alep e não foi”, disse Justus.

O deputado estadual Ademar Traiano (PSDB) foi novamente eleito presidente da Alep, no último dia 1º. Embora o PSDB tenha se aliado ao PP de Cida Borghetti nas eleições do ano passado, Traiano se engajou pessoalmente na candidatura de Ratinho Junior.

Pauta da CCJ

A próxima reunião da CCJ está marcada para o dia 19. A ideia é que os parlamentares tenham uma semana para organizar a pauta do colegiado, responsável por fazer a primeira análise de todas as proposições protocoladas na Casa.

De autoria do governo do Paraná, já chegaram duas mensagens – uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que elimina a verba de representação dada a ex-chefes do Executivo, a conhecida “aposentadoria”; e o projeto de lei que reorganiza a estrutura administrativa do Executivo.

+Leia também: Pedágios da BR-376 e BR-116 podem subir 25% com mudanças em contrato de concessão

Francischini prometeu dar prioridade às “pautas econômicas”, em sintonia com o que ele classifica de “momento especial do País”.

Aliado do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), Francischini também se comprometeu a ouvir todos os membros do colegiado, “independente de diferenças ideológicas, de cores partidárias”. O recado era para o deputado estadual Tadeu Veneri (PT), membro do colegiado e líder da oposição na Casa. “Esperamos o cumprimento do Regimento Interno”, avisou o petista, na reunião.

Francischini inicia na Alep depois de dois mandatos consecutivos na Câmara dos Deputados. Em Brasília, ele se concentrou na bandeira anti-PT.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Saiba o que funciona pra matar a aranha-marrom, ‘o terror’ dos curitibanos