Sete contratos de concessão de rodovias federais formalizados durante a presidência de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) podem ter reajuste em 2019. O aumento no preço do pedágio é pleiteado pelas concessionárias sob a justificativa de suposto desequilíbrio financeiro, que impede a realização de investimentos da ordem de R$ 7 bilhões. A informação é da Folha de S.Paulo.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Para garantir a realização das obras de melhoria, que estão previstas nos contratos, o Ministério da Infraestrutura pretende autorizar um reajuste médio de 25% nas tarifas dos pedágios de sete rodovias, com três trechos no Paraná, todos administrados pela Arteris.

No estado, são esperados aumentos nas cancelas controladas pelas concessionárias Planalto Sul, Régis Bittencourt e Litoral Sul. Em território paranaense, elas controlam quatro praças de pedágio: em Fazenda Rio Grande, Rio Negro e Campina Grande do Sul, na BR-116; e em São José dos Pinhas, na BR-376.

+Leia também: Prejuízo causado por briga de torcidas em ônibus e terminais é avaliado em R$ 38 mil

Veja os valores cobrados atualmente no Paraná:

BR-376 Autopista Litoral Sul (que liga ao litoral de Santa Catarina)

Praça de São José dos Pinhais: R$ 2,70

BR-116 Autopista Régis Bittencourt (que liga o Paraná a São Paulo)

Praça de Campina Grande do Sul: R$ 3,20

BR-116 Autopista Planalto Sul (que liga o Paraná ao interior de Santa Catarina)

Praça de Fazenda Rio Grande: R$ 6,50

Praça de Rio Negro: R$ 6,50

Entre berros e empurrões, pessoas disputam espaço pra saquear carga na BR-376