Acusado de assédio sexual pela jornalista Patrícia Lélis, o deputado federal e pastor Marco Feliciano (PSC) esteve na noite desta sexta-feira (12) em Cascavel, no Oeste do Paraná, para abrir a Semana Municipal da Família. O evento reuniu centenas de evangélicos, a maioria ligada à Assembleia de Deus, igreja da qual o deputado é pastor.

Feliciano evitou falar com a imprensa, mas na abertura do evento teceu um rápido comentário sobre as denúncias contra ele. Segundo o deputado, nos próximos dias haverá boas notícias. “Nós vamos transformar esse limão numa grande limonada e mais uma vez o diabo será envergonhado para a glória de Jesus”, disse o parlamentar. O evento em Cascavel chegou a ser cancelado após denúncias contra o pastor, mas após conversar com Feliciano, a organização decidiu manter o deputado como palestrante. O evento foi promovido pela Livraria Cristã Ebenezer.

Durante a pregação,Feliciano evitou falar sobre o caso, apenas reclamou que a própria igreja virou às costas a ele. Disse que sem consultá-lo, a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) anunciou em uma revista semanal que um no Comitê de Ética da denominação evangélica vai apurar o caso.

Para Feliciano, como não conseguem acusá-lo de outros crimes, como corrupção, por exemplo, se levantaram contra ele para atingir seu lado moral por sua luta em defesa da família tradicional. “Só que eles esbarraram em uma pessoa idônea, eu tenho família, e pode minha família estar sofrendo, mas estão todos do meu lado”, afirmou o parlamentar.

Feliciano lembrou que o delegado responsável pelo caso afirmou, na sexta-feira, que poderá pedir a prisão da jornalista Patrícia Lelis, que o acusa de tentativa de estupro. “Ele [o delegado] disse que há indícios de uma quadrilha querendo praticar extorsão às vésperas de uma campanha política”, declarou.

Manifestação

Na entrada do Teatro Emir Sfair, onde aconteceu a palestra, um grupo de manifestantes aguardou Feliciano com cartazes de protesto. O policiamento foi reforçado e a organização do evento também contratou seguranças para evitar que o parlamentar fosse hostilizado. Os manifestantes, no entanto, logo se dirigiram até a Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste), onde no mesmo horário acontecia uma palestra sobre ideologia de gênero, ministrada pelo ativista LGBT, Toni Reis.