Sem prestar contas da última campanha eleitoral à Justiça, 49 candidatos de Goiás nas eleições de 2010 são alvo de representações do Ministério Público Federal (MPF). A informação foi divulgada pela Procuradoria Regional Eleitoral no final da tarde desta terça-feira (14).

De acordo com a Procuradoria Regional Eleitoral, a captação e gasto ilícito de recursos fere o artigo 28, incisos I e II, e artigo. 29, inciso III, da Lei nº 9.504/97 e o artigo. 25, inciso I, e artigo 26 da Resolução nº 23.217/2010 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Se julgadas procedentes as representações do MPF, os candidatos deverão ter cassados os registros e ficarão inelegíveis por oito anos a partir das eleições. Outras 820 representações foram ajuizadas pela Procuradoria Regional Eleitoral por doações ilegais a campanhas nessa semana. Se condenadas, empresas e pessoas físicas que ultrapassaram a porcentagem de repasses permitido pela legislação eleitoral ficarão proibidas de celebrar contrato com o poder público e inelegíveis por oito anos e pagarão multa.