Em meio às críticas das centrais sindicais ao ajuste fiscal promovido pelo Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff anunciou nesta quinta-feira, 30, a criação do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho, Renda e Previdência, que será constituído por representantes dos trabalhadores, aposentados, empresários e governo. O anúncio foi feito em reunião com sindicalistas, que ocorre nesta quinta no Planalto.

De acordo com Dilma, o fórum será coordenado pela Secretaria-Geral da Presidência. “Essa representação quadripartite tem o objetivo de estabelecer um diálogo e buscar que nós tenhamos uma pauta”, comentou a presidente.

Segundo Dilma, o fórum discutirá as seguintes questões: a sustentabilidade do sistema previdenciário, com ampliação da cobertura e fortalecimento dos seus mecanismos de financiamento; discussão das regras de acesso, idade mínima, tempo de contribuição e fator previdenciário; políticas de fortalecimento do emprego, do trabalho, da renda; medidas de redução da rotatividade no mercado de trabalho; formalização e aperfeiçoamento das relações trabalhistas; mecanismos, propostas e políticas de aumento da produtividade do trabalho.

“Para nós, que defendemos o diálogo, que achamos que mesmo tendo posições diferentes sobre alguns assuntos, podemos construir propostas comuns, construir consensos, e que achamos que esse é o melhor caminho, vai nos caber a todos que integram esse fórum encontrar a melhor estratégia e definir os instrumentos mais eficientes para que nossos objetivos sejam atingidos”, discursou Dilma.

“Todos nós mantemos a fé no País e tenho certeza que por isso, no próximo ano, nós vamos ter novas conquistas para celebrar. Novas conquistas que eu espero que saiam desse fórum, dessa mesa de negociação.”

No encerramento da fala, Dilma disse que o governo vai buscar construir, “nas condições do País”, o que existe de melhor em termos de legislação, seguridade social e proteção ao trabalho, à renda e ao emprego. “Vamos estar ao lado dos interesses dos trabalhadores e trabalhadoras deste País”, assegurou a presidente.

Pronunciamento

Pela primeira vez desde que assumiu a Presidência da República, a presidente Dilma Rousseff não fará um pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão por conta do Dia do Trabalho. Em vez de usar o palanque eletrônico, Dilma optará pela postagem de vídeos nas redes sociais.

Professores

Um dia após manifestações de professores no Paraná terminar com centenas de feridos por conta de confrontos com a polícia, a presidente Dilma Rousseff repudiou a violência em protestos. “As manifestações dos trabalhadores são legítimas e temos que estabelecer o diálogo sem violência”, disse, durante reunião com líderes de centrais sindicais, em Brasília.

Sem citar especificamente o caso do Paraná, que é administrado pelo tucano Beto Richa, Dilma afirmou que é preciso conviver com a diferença e reforçou que o único caminho para construir consenso é o diálogo. “Para construir consenso e evitar a violência o único caminho existente é o caminho do diálogo”, disse.

O grupo de professores do Paraná protestava contra a votação do projeto que autoriza o governador tucano a usar recursos do fundo de pensão Paraná Previdência como parte das medidas de austeridade e ajuste fiscal. O projeto foi aprovado.

Segundo Dilma, “temos convivido” com opiniões distintas, mas é preciso saber conviver com a diferença. “O Brasil é um País grande demais, diverso demais, múltiplo demais para que haja um único caminho”, afirmou “E o melhor caminho é aquele que se constrói junto”, completou.

A presidente afirmou ainda que seu governo tem por princípio o “respeito às manifestações, respeito às diferenças de opinião”. “E, ao mesmo tempo, com repúdio integral à violência”, afirmou.