O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar decide nesta terça-feira (19) se convidará Durval Barbosa a depor no processo contra a deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF). Em 2006, Durval gravou vídeo em que repassa dinheiro para Jaqueline, na época candidata a deputada distrital.

O requerimento para ouvir Durval foi apresentado pelo relator do processo, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP). Se o requerimento for aprovado, o Conselho de Ética pode fazer um convite a Durval Barbosa, mas não tem poder de exigir a presença dele, como teria uma comissão parlamentar de inquérito (CPI).

Ex-secretário de Relações Institucionais do Distrito Federal (governo Arruda), Durval foi delator e operador do esquema conhecido como mensalão do DEM. O vídeo com a deputada Jaqueline Roriz foi divulgado neste ano. Posteriormente, ela divulgou nota em que admitia ter recebido recursos não-contabilizados de Durval Barbosa para a campanha de deputada distrital.

A reunião do conselho está marcada para as 14h30, no plenário 11. Durante a reunião, o relator vai apresentar seu plano de trabalho.

Envio de provas

Sampaio reuniu-se na semana passada com o ministro Joaquim Barbosa, relator do inquérito contra Jaqueline no Supremo Tribunal Federal (STF), para pedir agilidade no envio das provas do caso à Câmara. Após a reunião, ficou definido que o depoimento de Durval Barbosa na Polícia Federal sobre Jaqueline Roriz seria entregue hoje ao Conselho de Ética.

Já o vídeo em que a deputada e o marido, Manoel Neto, aparecem recebendo dinheiro de Durval será entregue até o dia 25, pois ainda aguarda conclusão de perícia.

O envio de documentos do STF ao Conselho de Ética, segundo Carlos Sampaio, deverá adiantar o andamento do processo contra Jaqueline, que pode levar à cassação do mandato dela. O relator tem até 21 de junho para finalizar seu relatório, que será votado pelos integrantes do conselho. Mas, de acordo com ele, a depender das provas enviadas, o documento poderá ser finalizado antes do prazo.