Sem manifestar preferência partidária, o cardeal-arcebispo de São Paulo, d. Odilo Pedro Scherer, defendeu ontem um “posicionamento claro” dos candidatos à Presidência sobre a questão do aborto e avaliou como “parte do jogo democrático” a presença do tema na campanha eleitoral. Na opinião do religioso, é importante que o assunto seja debatido pelos presidenciáveis Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), pois constitui “uma das questões que os eleitores querem saber”.

“É bom que a questão do aborto seja também levada em consideração dentro dos debates políticos. É uma questão que merece consideração política. Ou a vida humana seria tão desprezível que não merece consideração política?”, questionou o cardeal em coletiva sobre a Semana Nacional da Vida, em São Paulo. “Acho que é desejo dos eleitores que os candidatos tenham posições claras e coerentes com aquilo que de fato pretendem levar adiante”, acrescentou o cardeal.

D. Odilo se esquivou de responder se são transparentes as posições de Dilma e Serra sobre a questão. Segundo ele, suas considerações foram feitas “em linhas gerais”, sem conhecimento específico sobre as posições dos candidatos. Questionado se a questão poderá definir a eleição, o cardeal disse que é o “conjunto de questões e de propostas que os eleitores vão levar em consideração” na hora do voto.

As declarações foram feitas em meio à polêmica sobre a posição de Dilma acerca do tema. A disseminação de e-mails dando conta de que, no passado, a candidata petista defendeu a descriminalização da prática é apontada como um dos motivos para o fato de ela não ter vencido já no primeiro turno. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.