Com a possibilidade de afastamento do PSB, partido de Eduardo Campos, da candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) ao governo paulista em 2014, o palanque eletrônico da campanha tende a ficar mais equilibrado entre petistas e tucanos. Mesmo contando hoje com seis legendas praticamente alinhadas ao seu lado – DEM, PPS, Solidariedade, PTB, PRB e PSC -, o governador teria quase o mesmo tempo de TV na propaganda eleitoral que o PT.

Segundo levantamento do Estadão Dados, a aliança tucana sem o PSB teria, na atual configuração, 5min22s. Com apoio provável apenas do PR e do PC do B – que ventila a candidatura do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, mas está na área de influência do PT -, os petistas contariam com 5min07s diários para alavancar a candidatura do ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

O apoio do PSB a um dos dois lados significaria o acréscimo de quase 1 minuto diário.

Após a aliança entre a ex-ministra Marina Silva e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, o diretório paulista do PSB passou a ser pressionado a lançar candidatura própria. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.