Os corpos dos 19 mortos no acidente com o avião bimotor da Team Táxi Aéreo já foram liberados pela perícia técnica do Departamento de Aviação Civil (DAC) e estão sendo levados pelas equipes de resgate do Corpo de Bombeiros para a parte baixa do município de Rio Bonito, no interior do estado do Rio.

O avião bateu ontem à tarde no Pico da Pedra Branca, na serra de São João, e explodiu em seguida.

O diretor do Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto, Roger Ancilótti, disse que os cadáveres não poderão ser identificados pelo exame papiloscópico, através das impressões digitais, pois todos estão carbonizados e alguns muitos mutilados.

O legista explicou que será feita inicialmente a identificação das vítimas através da arcada dentária. Os corpos que não tiverem condições de identificação por esse método serão submetidos ao exame de DNA.

Ele explicou que os corpos serão levados para o Instituto Médico Legal (IML) do Rio, que tem condições de fazer a identificação. As equipes de legistas do Rio já foram reforçadas e vão contar com apoio de técnicos do IML de Araruama e Itaboraí.

O secretário de Defesa Civil, Carlos Alberto de Carvalho, disse que o mau tempo pode ter provocado o acidente. Chovia na hora e havia cerração. O piloto Michael Hutten pode ter tentado uma rota alternativa pelo litoral para chegar ao aeroporto Santos Dumont, no centro do Rio de Janeiro, quando bateu com asa da aeronave no Pico da Pedra Branca, na serra de São João, a 600 metros de altura, explodindo em seguida.