As feiras livres de Curitiba não vão mais vender apenas frutas, verduras, legumes e pastéis. Com o novo projeto de educação alimentar da Prefeitura, o Passarela Saudável, lançado neste sábado (16) pelo prefeito Beto Richa, a saúde passa a ser o mais novo ingrediente das feiras. O programa piloto começou na feira livre da Rua Alberto Bolliger, Alto da Glória, e será estendido a outros pontos da cidade.

"Uma vida saudável começa por uma alimentação saudável. E esse é o novo conceito que a Prefeitura começa a implantar na cidade, através dos feirantes, que serão os principais agentes dessa campanha de informação e conscientização", declarou Beto Richa.

O prefeito percorreu a feira do Alto da Glória, uma das mais tradicionais de Curitiba, ao lado do secretário municipal do Abastecimento, Antonio Leonel Poloni, e do deputado Federal Gustavo Fruet. Beto Richa cumprimentou e conversou com feirantes e consumidores.

Realizado em parceria com os cursos de Nutrição da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR), o programa Passarela Saudável prevê a participação ativa dos feirantes como agentes de promoção de saúde e bem estar.

"É uma grande campanha baseada em informações e educação alimentar, voltada ao incentivo do hábito de consumo de frutas, hortaliças, fibras, cereais e de outros alimentos saudáveis entre a população de Curitiba", afirmou o secretário do Abastecimento, Antonio Poloni.

Com o programa, a Prefeitura de Curitiba pretende atacar e corrigir problemas de saúde da população relacionados à alimentação inadequada. Dados do IBGE mostram que de 1986 a 2003 o consumo de frutas e hortaliças dos paranaenses caiu de 80 kg por pessoa para 88,2 kg. Uma redução de 27% em 17 anos. Outros indicadores apontam que 41% da população masculina de Curitiba, e 36% das mulheres, estão com excesso de peso.

O Passarela Saudável será realizado a princípio em duas feiras livres da cidade, duas vezes por semana. Aos sábados, na Rua Alberto Bolliger, e às terças-feiras na rua Nunes Machado (Praça Ouvidor Pardinho).

Numa primeira etapa o projeto funcionará durante dois meses. Depois, a prefeitura vai avaliar os resultados para ampliar a programação de maneira itinerante a outros equipamentos públicos, como Ruas da Cidadania, praças e parques.

Nas duas feiras selecionadas para implantação do projeto piloto, a Prefeitura vai instalar cartazes em todas as barracas, desde as entradas, com informações nutricionais, dicas e sugestões aos consumidores. Os freqüentadores vão receber conceitos de conservação e preparo de alimentos.

Receitas de aproveitamento integral de produtos e oficinas de alimento serão feitas por 22 estagiários e professores de nutrição da UFPR e PUC/PR. Dois mascotes vão ser utilizados para interagir com o público: a dona Couve e o sr. Cenoura, que serão os personagens vivos da campanha.

As feira livres tipo "A", que tem o ponto forte nos hortifrutigranjeiros, recebem por semana 10.600 consumidores. A maioria desse público é de mulheres (71%). A idade é outro fator interessante, uma vez que 50% dos consumidores têm mais de 51 anos.