Foto: Lucimar do Carmo/O Estado

O forte calor dos últimos dias está forçando as pessoas a buscarem alternativas para amenizá-lo.

Os turistas que escolheram o litoral paranaense para passar as festas de final de ano podem se preparar para viver emoções distintas. A previsão do Instituto Tecnológico Simepar para as manhãs até a virada do ano é de muito sol e altas temperaturas, mas a tendência também aponta para pancadas de chuva durante as tardes. O mesmo comportamento climático se repete em Curitiba e boa parte do Paraná por todo o verão, que começa às 22h22 de hoje, como reflexo da ocorrência do El Niño.

Na teoria, o El Niño é um fenômeno atmosférico caracterizado por um aquecimento anormal das águas superficiais no Oceano Pacífico Tropical, que modifica padrões de vento e afeta os regimes de chuva em regiões tropicais, como é o caso de parte do Brasil.

A definição teórica não é o que mais importa para os leigos, mas sim, os efeitos que o fenômeno causa. O Paraná é um dos estados  que mais sentem os reflexos do fenômeno. Não é à toa que desde 2003, quando se deu a última ocorrência do fenômeno, as temperaturas não subiam tanto já no início do verão. Nos últimos dias, as máximas têm chegado aos 30ºC e as mínimas não caem dos 18ºC.

Segundo o meteorologista do Simepar Lizandro Jacobsen, a tendência é que o El Nino influencie o tempo no Paraná por todo o verão. ?As temperaturas devem ser mais altas que no verão do ano passado e o volume de precipitação também deve ser maior, bem como o risco de temporais?, avisa. Os temporais são reflexos do calor excessivo com alta umidade, que provoca chuva forte e trovoadas.

A se confirmar a tendência de comportamento do tempo no Paraná quando o El Nino está presente no Pacífico, o Estado não deve sofrer com racionamento no ano que vem, como aconteceu este ano. É que as reservas de água para o período da estiagem, que marca o inverno, se formam justamente nos verões chuvosos na região. ?No ano passado, choveu cerca de 50% a menos no verão e os níveis de precipitação também ficaram abaixo das médias históricas do verão para o outono?, explica Jacobsen.

Se para os veranistas apenas uma parte da notícia é boa, para o sistema de abastecimento o aumento da precipitação é comemorado. ?Deve chover acima da média?, adianta Jacobsen. A expectativa é de que as barragens da Sanepar consigam se recuperar até que as águas de março fechem o verão. ?A chuva também poderá ser comemorada pelos agricultores, que há três anos sofrem com a precipitação abaixo da média?, finaliza Jacobsen.