Postos de saúde 24 horas de Curitiba atenderam, no último domingo, 60 crianças e adolescentes que estão participando do Festival de Artes da Rede Estudantil (Fera), em frente ao Palácio Iguaçu. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, todos apresentavam diarréia, náusea, vômito ou dor abdominal. Apesar das suspeitas, as secretarias estaduais da Educação e da Saúde desmentiram ontem que os estudantes participantes do Fera tenham sofrido intoxicação alimentar no fim de semana.

Segundo informações dos postos, não houve nenhuma internação e todos os alunos foram tratados com soro caseiro e liberados em seguida. Foram coletadas amostras para realização de exames, que estão sendo feitos no Laboratório Central do Estado (Lacen) e devem levar dez dias para ficarem prontos.

O diretor de vigilância em saúde da Secretaria Estadual de Saúde, Luiz Armando Erthal, disse que não houve nenhum surto de intoxicação. ?Desde domingo, tivemos vários estudantes atendidos em unidades de saúde mas com problemas distintos?, disse Erthal. De acordo com ele, de sexta a domingo, foram atendidas 35 pessoas apresentando diarréia. ?Não é um número significativo, uma média de dez casos por dia. Isso não caracteriza surto?, disse Erthal.

?Está descartada a ocorrência de surto alimentar, pois não existe correlação entre os casos?, disse o secretário de Saúde Cláudio Xavier.

Por descartar a hipótese de surto, a Secretaria de Saúde não vai fazer análise da comida consumida pelos estudantes. Os estudantes estão almoçando no Clube dos Subtenentes e Sargentos do Exército, que fica no Centro Cívico. O café da manhã e o jantar são servidos nas escolas onde os alunos estão alojados. A empresa que está fornecendo a comida é a 041 que, segundo a Secretaria Estadual de Educação, também fornece alimentação para diversos hotéis de Curitiba. O cardápio básico servido aos alunos é arroz, feijão, carne (bovina ou frango) e guarnição (batata ou aipim).

Reclamação

Apesar da negação, os estudantes confirmam que houve intoxicação. ?Só na nossa sala, seis pessoas passaram mal. Quatro no sábado à noite, uma no domingo e uma na segunda pela manhã?, disse a estudante Daione dos Santos, 16 anos, que está alojada na Escola Julia Vanderlei e veio de União da Vitória. Os estudantes que vieram de Paranaguá e que estão alojados no Colégio Dr. Xavier da Silva também afirmam que diversos estudantes passaram mal no fim de semana. ?O que nos explicaram nos postos foi que o mal-estar foi causado por uma bactéria que só é encontrada no feijão?, disse um estudante.

Esta é a segunda vez que alunos passam mal durante o Fera. Na edição de Maringá, em junho deste ano, 350 estudantes foram intoxicados pelo arroz servido durante o evento, contaminado pelo Bacillus cereus, agente etiológico causador da gastroenterite.