Tempo de carência, reajustes, cobertura, reembolsos e número de médicos credenciados. Esses são alguns dos principais itens que todo cidadão ou empresa tem que verificar minuciosamente antes de contratar qualquer plano de saúde. “Não é igual a comprar uma calça jeans, por exemplo. É preciso ler o contrato, questionar tudo e tentar sanar todas as dúvidas antes de aderir a um plano de convênio médico”, afirma André Longo, diretor-presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que ontem esteve em Curitiba.

De acordo com Longo, hoje tanto a pessoa física quanto a jurídica têm informações suficientes para optar pela melhor opção dentre a grande variedade de empresas que oferecem planos de saúde no Brasil.

“Hoje nosso site (www.ans.gov.br) conta com uma secção específica que auxilia todo o cidadão a escolher o plano de saúde. São dados sobre números de reclamações, abrangência da cobertura, velocidade de atendimento, entre outros. Ao todo, produzimos 33 indicadores sobre as operadoras e damos nota pra cada uma delas. Isso tudo é colocado à disposição dos usuários”, explica.

No site da ANS também é possível ter acesso ao índice de reclamações feitas pelos próprios beneficiários e a uma lista de planos de saúde com comercialização.

“Há todo o tipo de informação que o futuro usuário de plano de saúde precisa para tomar a melhor decisão possível. Nós fazemos essa lista a partir de monitoramento feito com base nas reclamações recebidas pela ANS e na quantidade de beneficiários das operadoras dos planos de saúde, que são analisadas conforme o tipo de mercado em que atuam”, diz Longo.

Reclamações

Segundo a ANS, as reclamações mais comuns na central de atendimento da agencia são em relação à negativa de cobertura e aos prazos de atendimento. “Aconselhamos o cidadão a primeiro entrar em contato com a operadora e depois com a ouvidoria da operadora. Se não der certo, venha nos procurar com o número do protocolo em mãos, que vamos orientar da melhor maneira o possível. Hoje temos um índice de resolução de 85%”, afirma.

Para fazer uma reclamação na ANS, basta acessar o site da agência ou ligar 0800 701 9656. “Utilizar esses canais é muito importante e eficaz, porque a reclamação chega para a ANS e também para a operadora. Então é uma ferramenta realmente útil”, diz o presidente da ANS.

André Longo veio à capital paranaense para o Encontro ANS Edição Sul, que vai até hoje e dissemina as normas da ANS às operadoras de planos de saúde e prestadores de serviços, além de órgãos de defesa do consumidor.

Cuidado com os preços

Para a advogada Alane Borba, do Procon-PR, o consumidor que pretende contratar um plano de saúde precisa verificar a questão do reajuste cobrado anualmente pelas operadoras.

“Além de verificar itens como carência, abrangência de cobertura, tipo de plano, é preciso estar atento aos valores. Os reajustes são anuais e dependendo do que está em contrato, esse aumento pode ser abusivo. Então é preciso verificar cada item do contrato, além é claro de procurar referência sobre a empresa”, diz a advogada.

Paraná Online no Google PlusParaná Online no Facebook