O lavrador da horta comunitária Monteiro Lobato, Fabiano Campos Santana, 85 anos, até brinca, afirmando ter sorte de não depender da iluminação pública, apenas da luz natural, para que suas hortaliças se desenvolvam plenamente. Mas a realidade é que todos os moradores da Rua Josuel Ferreira, no bairro Tatuquara, demonstram medo e insatisfação com a ausência de iluminação pública na via.

A bordadeira Cristina Pereira, 65 anos, conta com o seu cão de guarda para se sentir mais segura. “É uma escuridão total, que acaba ajudando o bandido. Por sorte meu cachorro ajuda a espantar”. O que os dois vizinhos não se conformam é que até o poste de luz foi instalado, há quatro meses, mas lâmpadas e energia não deram o ar da graça na rua. “A taxa de iluminação pública é paga todo mês, mas na minha rua não temos acesso”, reclama Cristina.

Gerson Klaina
Cristina: taxa é paga todo mês, mas não temos acesso.

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) esclarece que os recursos da taxa de iluminação pública servem para manter um fundo que garante o serviço em toda a cidade, ou seja, de certa maneira todo cidadão acaba sendo beneficiado.

Já a Secretaria Municipal de Obras Públicas informou que a instalação das lâmpadas na Rua Josuel Ferreira, num trecho de 300 metros de extensão, foi incluída na Lei Orçamentária Anual de 2012, licitada e aguarda apenas a aprovação do croqui pela Copel. A estimativa é que a intervenção comece em, no máximo, 60 dias.

Gerson Klaina
Fabiano: sorte de depender apenas da luz natural.