enkontra.com
Fechar busca

Paraná

Retrospectiva 2013

Relembre as notícias que marcaram o mês de dezembro

No último mês do ano, a pancadaria em Joinville ganhou repercussão mundial

  • Por Jonatan Silva

Entre um vai e não vai, o Coritiba acabou ficando e não foi rebaixado à Série B do Brasileirão. O elenco alviverde mostrou garra e conseguiu apagar o Botafogo por 2 a 1 – uma vitória magra e sofrida, mas que teve gosto de final de campeonato.

Outra surpresa futebolística de dezembro foi o desembarque de Adriano,ex- atacante-problema do Flamengo. Ele está treinando no Atlético para se recuperar fisicamente e também tratar uma lesão no tendão.

Ligadões

As ossadas de um casal foram encontradas em um matagal em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Os dois estavam amarrados com um cabo utilizado em aparelhos de televisão. Os cadáveres foram encontrados por funcionários de uma empresa contratada para medir o terreno.

Uma empresa que beneficiava palmito foi fechada em Colombo, também na Região Metropolitana de Curitiba. O local era extremamente mal conservado, com mau cheiro e diversas galinhas e pintinhos.

Aliocha Maurício
Armamentos que estavam com os presos no 1º DP.

Violência encarcerada

Um agente penitenciário foi espancado e vários detentos empreenderam uma tentativa de fuga na cadeia de Fazenda Rio Grande. Segundo o relato de alguns policiais, os detentos chegaram ao ponto de jogar fezes e urina nos agentes. No total, mais de 70 pessoas ocupavam o local destinado a apenas 24.

O clima não esquentou apenas na cadeia. A Grande Curitiba foi alvo de uma onda de calor que acabou desembocando em um temporal. O Instituto Tecnológico Simepar chegou a registrar ventos de mais de 100 km/h.

Doutora na cadeia

Sabrina Naschenweng, 39 anos, foi presa em um condomínio de luxo em Florianópolis. A advogada era procurada pela polícia do Paraná por ter aplicado diversos golpes. Ela trabalhava com o pai, Edelmo Naschenweng, 71 anos, que está foragido.

Os dois são responsáveis pelo escritório Naschenweng Advogados Associados, que possui sede no centro da capital catarinense e uma filial no bairro Batel, em Curitiba. “Quando havia ganho de causa, encaminhava uma carta, com procuração em anexo, dizendo que havia necessidade da assinatura do cliente para ‘agilizarmos e concluirmos o processo em questão’. O cliente assinava, o escritório sacava todo o dinheiro e não dava o valor ganho na ação”, detalhou o delegado-adjunto da Delegacia de Estelionato e Desvio de Cargas (DEDC), Matheus Laiola.

Papo reto

O garçom Guilherme Pereira, 24 anos, tentou argumentar com seu algoz para não ser morto, mas não teve conversa. O rapaz foi assassinado com seis tiros dentro de uma lanchonete na Rua Pedro Laska, bairro Quissisana, São José dos Pinhais.

“O dono da lanchonete e o outro rapaz estavam na parte de trás e apenas ouviram o assassino chegar. A vítima o reconheceu, porque, segundo as testemunhas, a conversa foi tranquila. De repente o rapaz gritou e os tiros aconteceram. Os dois não viram o rosto porque ele nem retirou o capacete”, explicou a policial militar Franciele, do 17º BPM.

Átila Alberti
Idoso assassinado confessou o abuso para a mãe da garota.

Tarado da terceira idade

O aposentado João Neves, 72 anos, foi morto a tiros pelo pai de uma garota de 10 anos, que segundo os relatos, havia sido abusada por ele. Quando o homem descobriu que a filha tinha sido estuprada pelo idoso, não pensou duas e foi até a casa vizinha e executou o tarado. A mulher do assassino tentou esconder o abuso, mas a criança acabou delatando ao pai.

Infelizmente, é tão comum…

Uma panela esquecida no fogo quase ,causou uma tragédia em um apartamento na Rua André de Barros, em frente ao Terminal Guadalupe, centro de Curitiba. Os bombeiros chegaram a ter de apagar um princípio de incêndio, mas por sorte, ninguém se feriu. Uma garota de 10 anos, sobrinha da proprietária do apartamento, inalou muita fumaça e precisou de atendimento médico.

Pancadaria

A violência gratuita protagonizada pela torcida organizada do Atlético, Os Fanáticos, bem como pela torcida do Vasco da Gama, fez com que os associados fossem impedidos de entrar, por seis meses, em qualquer estádio do país portando materiais que os identificassem. Os torcedores baderneiros transformaram a partida entre o Furacão e o Vasco da Gama, na Arena Joinville, em uma verdadeira batalha campal.

Para tentar coibir esse tipo de ato, a Polícia Civil e o Ministério Público, criaram a Operação Cartão Velho, com o intuito de prender os envolvidos na confusão. Entre os procurados pela polícia estava o ex-vereador Juliano Borghetti, flagrado nas fotografias. Ele chegou a ser considerado foragido da Justiça, já que não estava em casa quando foi procurado pelos agentes, mas acabou se entregando. Com toda a repercussão do caso, Borghetti acabou pedindo demissão da EcoParaná, empresa do governo estadual na qual ocupava o cargo de superintendente .

A sede da torcida Os Fanáticos também foi alvo da operação e diversos computadores com fotos de ações violentas foram encontradas nos arquivos digitais da torcida. “São sempre os mesmos. Dos já identificados quatro ou cinco já têm passagem por arruaça e badernas em estádios de futebol”, declarou o delegado Clóvis Galvão da Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (Demafe) à RPCTV.

Vila Torres

No mês de dezembro, a Vila Torres foi palco de diversas ações criminosas e violentas, entre elas, uma jovem com criança de colo que foi baleada na esquina das ruas Chile e Felipe Camarão, cerca de 20 metros do portão de casa. Marginais em uma Land Rover preta trocaram tiros contra um grupo rival, que ocupava um Siena prata.

“Felizmente o tiro não atingiu nenhum órgão vital, mas ficou alojado no ombro da vítima. A vida destes moradores está sempre em risco”, definiu o cabo Cordeiro, do Siate.

Suellen Lima
Quando os vizinhos perceberam a movimentação suspeita, acionaram os policiais do 12° Batalhão.

Confronto cheio de detalhes

O embate entre policiais e assaltantes de casa, que resultou na morte de dois dos malandros, esteve envolvo em mistério. Segundo testemunhas, o local do crime teria sido alterado pela polícia, já que os corpos dos mortos foram removidos antes da chegada da perícia. A dupla teria sido cercada em uma chácara e alvo de nada menos que 14 tiros.

Dias depois, um dos policiais envolvidos na operação acabou morrendo quando foi atropelado por um veículo no momento que ia trocar o pneu da viatura. O outro policial que estava com ele no veículo teve ferimentos leves. Segundo a Polícia Militar, o motorista do carro que colidiu com os policiais estava sob efeito de álcool.

Audácia nojenta

Donos de bancas de jornais no centro de Curitiba contaram ao Paraná Online que têm sido alvo de uma nova modalidade de arrombamento. Os marginais usam urina para corroer os cadeados nas portas e pode entrar nos comércios. “Eles costumam pegar coisas que conseguem vender mais fácil. Mesmo se não conseguem levar nada dão prejuízo, porque quebram os vidros e estouram a porta”, contou Osni José Pavani, 52 anos, proprietário de uma banca de revistas há 32 anos.

Suellen Lima
Todos os envolvidos são funcionários de empresas sub-contratadas pela CAP/SA.

Novela mexicana

Não bastassem as crises pelas quais o Atlético tem pass,ado dentro do campo, o clube também está enfrentando problema com a reforma da Arena. Cerca de 300 trabalhadores cruzaram os braços em meados de dezembro por conta da falta de pagamento de salários.

O clima ficou tenso no local. Houve diversas discussões entre os grevistas, seguranças da obra e até agentes da Secretaria de Trânsito (Setran). Segundo os trabalhadores, ainda há atraso de salários e benefícios. Todos os envolvidos são funcionários de empresas sub-contratadas pela CAP S/A, empresa que gerencia as obras na Arena.

Tragédias na pista

Um ônibus de turismo caiu durante a madrugada na Represa do Vossoroca, na BR-376, no município de Tijucas do Sul. O acidente deixou como saldo mais de 30 pessoas mortas. A polícia acredita que o motivo do acidente tenha sido óleo na pista.

Menos de 10 dias após o acidente, um outro ônibus de turismo se envolveu em um grave acidente. Desta vez, a tragédia aconteceu na BR-116, no município de São Lourenço, em São Paulo, e levava curitibanos para o Rio de Janeiro. O ônibus caiu em um barranco, provocando a morte de 16 pessoas.

Troca de turnos

Bandidos aproveitaram a troca de turno de vigilantes e o horário calmo do início do expediente na concessionária Gran Park, no Campina do Siqueira, para levar três caminhonetes e cinco carros. Uma moradora da região assistiu a toda a ação dos assaltantes.

Havia apenas dois ou três funcionários na loja, que foram rendidos pelos assaltantes. “Não agrediram ninguém, mas estavam armados”, contou um funcionário, que preferiu não se identificar. Ele disse que não havia vigilante, em virtude da troca de turno.

Divulgação/Polícia Civil
Professor ainda armazenava cenas de pornografia infantil e juvenil.

Aula de sexo

O professor de informática de uma escola municipal no Abranches, suspeito de aproveitar a explicação da matéria para abusar de suas alunas, com idades entre 10 e 13 anos, foi preso pela Polícia Civil. Mesmo casado e com filho pequeno, Louri Moraes Ramiro, 50 anos, teria atacado pelo menos 15 meninas.

A delegada Sabrina Barreiros, do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), contou que, durante a explicação do conteúdo, o professor acariciava as pernas e os seios das meninas, dava beijo no pescoço e falava coisas obscenas no ouvido das alunas. Além do testemunho das vítimas, a investigação contou com o relato de outras crianças que presenciaram as ações do professor.

Chefão na cadeia

O ex-delegado-geral da Polícia Civil do Paraná, Marcus Vinícius Michelotto, ficou preso por cinco dias. Ele, que foi acusado de participar do esquema conhecido como mansão-cassino, saiu do Cope direto para sua residência e não deu declarações.

Marco André Lima
Leonir Batisti disse que até o dia 27 de dezembro está prevista a saída de 27 policiais militares dos 38 que atualmente atuam nos diversos Gaecos no Estado.

Fim do Gaeco?

A determinação da Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Sesp) em promover um rodízio de policiais civis e militares para atuarem no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) provocou a reação do coordenador do Grupo, Leonir Batisti, que afirmou que o Gaeco, enquanto grupo, vai acabar.

“Até o dia 27 de dezembro está prevista a saída de 27 policiais militares dos 38 que atualmente trabalham nos diversos Gaecos no Estado e não há reposição porque não concordamos com a saída destes policiais e criticamos também a forma como se deram as indicações para este suposto rodízio, que simplesmente foram impostas pela Sesp”.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Últimas Notícias

Mais comentadas