O reitor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Gilberto Pavanelli, informou que, em princípio, vai manter o vestibular de todos os cursos da instituição. Ele se apóia na resolução tomada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da universidade, no final do ano passado, que favorece a realização do processo seletivo. Essa decisão vai contra o propósito da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), que liberou o vestibular em 15 dos 43 cursos de universidades estaduais na terça-feira. A secretaria, porém, ainda está analisando a situação de 28 cursos estaduais.

Entre aqueles que passarão pela avaliação estão nove da UEM, seis da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), dois da Universidade do Oeste (Unioeste) e onze da Universidade do Centro-Oeste (Unicentro). Desde o início do ano, esses cursos estavam com os vestibulares suspensos.

O reitor da UEM comentou sobre o decreto do governo. “Ao que parece, a cronologia foi o critério principal para a regularização. A avaliação pedagógica e a estrutura física do curso parece que não tiveram peso na análise”, diz. “A Procuradoria Jurídica da universidade está avaliando o teor do decreto. Essa avaliação irá orientar a decisão final da UEM”, completou Pavanelli. A UEM divulgou que até o dia 31 estará com inscrições abertas para o vestibular de 2005, cujas provas serão realizadas de 29 de agosto a 1.º de setembro. No total foram abertas 1.542 vagas.

A Seti informou que não tomará qualquer medida antes de ser comunicada oficialmente pela instituição. A entidade também explicou que não pode se posicionar sobre o assunto até que o vestibular realmente seja realizado.