A cobrança indevida que usuários de ônibus pagam cada vez que emitem uma fatura de boleto via internet para recarga do cartão-transporte está sendo questionada pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR).

A Urbanização de Curitiba S/A se comprometeu a sugerir uma solução até o fim do mês, após reunião entre representantes do órgão com promotores do MP-PR, há 15 dias atrás. O prazo para uma resposta da Urbs pode ser prorrogado para até 30 de julho.

De concreto, por enquanto, nada foi divulgado. Por meio de sua assessoria de imprensa, a Urbs informou que tem interesse em solucionar a questão e que, junto com o Banco do Brasil (que faz a cobrança), está estudando uma alternativa.

O usuário que retira a fatura pela internet não tem a informação da cobrança da taxa (que é de R$ 1,50), que não vem especificada, até o momento de geração do documento para que seja pago.