Dois argumentos fizeram os trabalhadores da Volvo optarem pelo encerramento da paralisação na montadora, que já durava sete dias. A greve terminou nesta quinta-feira (19), quando a empresa garantiu a manutenção dos postos dos postos de trabalho até o final do ano e ofereceu adiantamento de R$ 5 mil de Participação nos Lucros e Resultados (PLR), valor que será deduzido do pagamento final.

Antes disso, a Volvo estava ameaçando demitir 250 trabalhadores de imediato, alegando que a montadora vem carregando um excedente de 400 funcionários desde que o volume de produção de caminhões foi reduzido em 60%, como consequência da crise de 2015, situação que só teria piorado no início deste ano, com diminuição de mais 27% no primeiro quadrimestre de 2016. Pelo acordo, os empregos ficam garantidos até o início de dezembro, quando há expectativa de retomada do negócio.

Além dessas duas principais condições, o acordo também prevê um Plano de Demissão Voluntária (PDV), com incentivo de 1,5 a 4 salários (com o valor mínimo para recebimento de R$ 15 mil, mais antecipação de PLR, aviso prévio, verbas rescisórias e Seguro Desemprego, com isenção de Imposto de Renda sobre indenizações e quitação de contrato). O PDV fica aberto a partir de agora, até o dia 5 de dezembro.

Ainda há outros itens previstos no acordo. Caso ainda haja excedente de mão de obra em dezembro, haverá um Plano de Demissão Indicada (PDI), com incentivo de 15, a 4 salários também. Os dias parados no protesto dos trabalhadores serão contemplados em banco de horas com compensação sem data. A negociação da data-base será feita em setembro.