A implantação do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em janeiro de 1998, ajudou a reduzir o número de mortos por veículos no trânsito do Paraná. O índice de vítimas fatais por 10 mil veículos baixou de 8,42, em 1997, para 5,69, em 2003, ou seja, houve uma redução de 32%. Na capital, a queda do índice de mortos por 10 mil veículos foi de 39%, passando de 1,65 em 1997, para 1,00 em 2004.

No Paraná, desde janeiro de 1999, quando começaram a ser suspensas as primeiras carteiras, 108.748 motoristas já ficaram sem suas habilitações. Destes, 52.655 já entregaram a carteira ao Detran e 56.093 estão dirigindo com a carteira suspensa. "Uma hora ou outra esses motoristas terão que entregar suas carteiras, pois não poderão renovar o documento sem cumprir o prazo de suspensão e passar pelo Curso de Reciclagem", afirma Almeida.

Só no ano passado, 20.357 motoristas tiveram a habilitação suspensa, sendo que 84,42% deles são homens. Os números do perfil dos condutores com suspensão de carteira no ano de 2004 mostram ainda que a faixa etária campeã em suspensão é a dos 40 aos 50 anos de idade, com 23,34% das ocorrências, seguida por motoristas entre 18 e 25 anos (21,31%), 26 a 32 anos (20,91%), mais de 50 anos (17,49%) e, por último, motoristas que estão entre de 33 e 39 anos (16,95%).

Outros avanços conquistados durante o período em que o Código de Trânsito está em vigor são o uso do cinto de segurança no banco da frente dos veículos, o uso de capacete pelos motociclistas e a melhoria da fiscalização da velocidade com a instalação de equipamentos eletrônicos.