A contratação de aprendizes por empresas parceiras do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) cresceu 122% em 2007. O fechamento dos números em dezembro totalizou 7.700 jovens inseridos em programas de aprendizagem, ante 3.500 registrados no balanço de 2006.

De acordo com Denise Salamani, gerente do Programa Aprendiz do CIEE, as empresas parceiras da entidade puderam comprovar as vantagens de contar com aprendizes, a relevância social do programa e a qualidade dos cursos oferecidos pelo CIEE, que está apto a cuidar do recrutamento, seleção e capacitação teórica dos aprendizes.

A Lei 10.097, de 19/12/2000, obriga empresas de médio e grande porte a contratar aprendizes em percentuais correspondentes de 5% a 15% do número de colaboradores qualificados. Outra exigência é que eles recebam aulas de capacitação teórica formatadas de acordo com a área de atuação. "O CIEE oferece essas duas facilidades, pois, além de ter um cadastro com diversos jovens com o perfil exigido pela lei, é uma entidade certificadora, habilitada a ministrar os cursos teóricos de capacitação durante o período de vigência do contrato", explica Denise.

Ampliação do número de salas – Prevendo o crescimento do programa, o CIEE acaba de inaugurar um prédio-escola no centro da capital paulista, com 37 salas, a  maior parte destinada às aulas de capacitação teórica para aprendizes com quatro opções: auxiliar administrativo, auxiliar de vendas (varejo), práticas bancárias e práticas desportivas. Em breve, a grade será ampliada com capacitação teórica em telesserviços, ministrada por profissionais formados em Pedagogia, Psicologia, Administração de Empresas e Letras, que recebem treinamento específico.

Para obter mais informações ou candidatar-se às vagas de aprendiz oferecidas por empresas parceiras do CIEE, os interessados podem se inscrever pelo site www.ciee.org.br, devendo atender aos seguintes pré-requisitos: idade entre 14 e 24 anos incompletos e cursar ou ter concluído o Ensino Fundamental. Para participar dos cursos de capacitação teórica, os jovens precisam, necessariamente, serem contratados por empresas, de acordo com as disposições da Lei 10.097/2000.

Para Denise Salamani, as perspectivas da adesão de empresas ao Programa Aprendiz neste ano são ainda mais promissoras. "Deveremos chegar ao final de 2008 superando a marca de 10 mil jovens em capacitação em todo o país", destaca. De acordo com Salamani, as empresas estão mais sensíveis às responsabilidade de qualificar os futuros profissionais, melhorando suas condições de empregabilidade.