Foto: Lucimar do Carmo
Árvore caída interrompeu trânsito na Avenida Hugo Simas.

Muitos moradores passaram o dia de ontem contabilizando os prejuízos causados pelo forte temporal que atingiu a região da Grande Curitiba e o litoral na última segunda-feira. Na capital, a região norte foi a mais castigada. Aconteceram 40 quedas de árvores, 10 alagamentos e um desabamento. São José dos Pinhais foi uma das cidades mais atingidas: 90 casas de um mesmo bairro foram destelhadas. A distribuição de energia também ficou prejudicada: 316 mil residências ficaram sem luz.  

Equipes da Prefeitura de Curitiba tiveram muito trabalho ontem. Várias árvores caíram na cidade, afetando a rede elétrica e bloqueando ruas. Quinhentos funcionários passaram o dia limpando os estragos do temporal. O prefeito de Curitiba, Beto Richa, visitou bairros atigidos e anunciou a relocação, a partir de 2008, das famílias que moram em áreas de risco na Vila Parolin. ?Para minimizar os estragos, determinei que as equipes da Prefeitura trabalhem sem parar para ajudar as famílias?, afirmou Richa. A Fundação de Ação Social (FAS) fez atendimentos emergenciais, com a entrega de 160 telhas, um kit moradia (casa pré-fabricada), 15 colchões, 15 cobertores e 1,6 mil peças de roupas para as famílias mais necessitadas.

Em São José dos Pinhais, os moradores passaram o dia consertando os telhados. Cerca de 90 casas foram atingidas no bairro Libanópolis e a Prefeitura doou cerca de 4 mil telhas. A população de Morretes também tirou o dia para avaliar os estragos provocados pela chuva. Nas regiões de Porto de Cima e Colônia Marques, segundo a Defesa Civil local, mais de 200 famílias tiveram os telhados das residências destruídos. ?Ninguém esperava uma chuva de pedra como a que houve. Caíram pedras enormes. Algumas chegaram a quase um quilo e destruíram os telhados?, conta o coordenador de operações da Defesa Civil em Morretes, Rogério Tonelli. Em Telêmaco Borba, região central do Estado, segundo o Corpo de Bombeiros, a chuva derrubou árvores e destelhou dez residências.

As equipes da Copel também tiveram muito trabalho para restabelecer o fornecimento de energia elétrica. No fim da tarde de ontem, as equipes ainda prestavam atendimentos a 458 ocorrências. ?Foram muitas as situações em que tínhamos de trocar postes quebrados e refazer a fiação, mas antes era preciso remover árvores e entulhos para que o serviço pudesse ser iniciado?, destaca o diretor de Distribuição, Ronald Ravedutti.

Shopping

A Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi) da Prefeitura de Curitiba interditou, até hoje, o Shopping Total. Durante o temporal, aproximadamente 1 mil metros quadrados da cobertura de gesso caiu. Em princípio, a causa foi o forte vento que acompanhou a tempestade, mas o resultado de uma nova perícia deve ser divulgado em 30 dias. Uma pessoa ficou ferida. Ela passa bem, mas está fazendo exames neurológicos para afastar qualquer dúvida.

Precipitação menos intensa

De acordo com o Instituto Tecnológico Simepar, ontem a chuva foi menos intensa do que a do dia anterior, mas também foi forte. Assim como na última segunda-feira, ontem houve chuva e descargas elétricas em quase todo Estado.

Além da capital e da região metropolitana principalmente Araucária – nas regiões sul (Palmas e São Mateus), norte (Maringá e Londrina), centro (Campo Mourão e Faxinal) e oeste (Chopinzinho, Laranjeiras) também choveu significativamente.

Ainda segundo o órgão, ontem à noite a intensidade da chuva seria menor, mas a previsão é que aumente hoje. ?Virá mais chuva, com ventos e raios, hoje, principalmente à tarde e à noite. As temperaturas elevadas e a umidade elevada, nas diversas regiões, contribuem para esses temporais?, afirma a meteorologista Ana Beatriz Porto. A Prefeitura divulgou ontem que, durante a chuva da última segunda-feira, o vento atingiu velocidade de até cem quilômetros por hora.