A Secretaria Municipal da Saúde iniciará na próxima segunda-feira (14), no aeroporto Afonso Pena, um trabalho de sensibilização sobre os riscos da dengue junto aos passageiros que chegam e deixam a cidade. A atividade, que acontecerá das 9h às 18h, nos setores de embarque e de desembarque, é uma complementação das ações preventivas que o órgão realiza durante todo o ano, sem interrupção, por todos os bairros da cidade.

Do mesmo modo como está sendo feita a atividade na Rodoferroviária, iniciada no meio da semana, técnicos da Secretaria da Saúde vestidos com a camiseta do Programa Municipal de Controle da Dengue distribuirão folhetos aos viajantes e esclarecerão dúvidas. "Estando melhor informadas sobre o assunto, as pessoas se sentem mais seguras e podem perfeitamente ajudar a repassar as informações que recebem", diz o vice-prefeito Luciano Ducci.

Entre as recomendações do folheto estão a necessidade de proteção em áreas de risco – por meio de roupas que cubram a maior extensão possível do corpo, uso de repelente e hospedagem em locais que possuam telas nas janelas. A estratégia é útil para evitar o contato com a fêmea do mosquito Aedes aegypti, que transmite o vírus causador da doença pela picada.

Outra dica é a observação dos sintomas – comuns a outras doenças infecciosas -, entre elas febre alta, dor no corpo e no fundo dos olhos e mal-estar geral. Nesse caso, o melhor a fazer é procurar o serviço de saúde mais próximo, relatar o que está sentindo e se esteve em locais de risco, e jamais se automedicar.

Nesta semana, além de iniciar ação semelhante na Rodoferroviária, a Secretaria Municipal da Saúde também começou uma parceria junto às escolas privadas filiadas ao Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Paraná (Sinepe). "Foi ótimo porque tivemos colégios interessados em reproduzir o nosso material informativo para distribuição dirigida por eles próprios", diz a diretora do Centro de Epidemiologia, Karin Luhm.

Quadro

Curitiba segue sem registrar casos próprios de dengue, mas já contabiliza treze moradores de Curitiba contaminados fora do município. Cinco estiveram no Rio de Janeiro. Os demais vieram do Amazonas (4 casos), Rondônia (2), São Paulo (1) e Bahia (1). Curitiba registrou até agora 299 notificações e 28 focos do mosquito. Os focos foram encontrados nos bairros Atuba (2), Boqueirão (1), Cajuru (1), Capão Raso (1), CIC (5), Fani (1), Jardim Botônico (2), Lindóia (2), Pinheirinho (4), Prado Velho (2), Rebouças (1), Tatuquara (4) e Xaxim (2).

Para manter o controle do mosquito, a Secretaria da Saúde faz ações preventivas de educação em saúde voltadas para usuários de unidades de saúde e escolares, varreduras em bairros para sensibilização dos moradores e retirada de lixo reciclável de quintais e jardins, monitora 33% dos domicílios da cidade a cada quatro meses, inspeciona 850 pontos estratégicos a cada 15 dias e verifica semanalmente cinqüenta armadilhas instaladas pela cidade. Essas ações acontecem durante o ano todo, inclusive no inverno.